A Câmara Municipal da Trofa dinamizou sistema integrado de mobilidade, com a Estação Ferroviária da Trofa a assumir-se como Interface Rodoferroviário.

 A partir do dia 1 de fevereiro, a Estação Ferroviária da Trofa vai passar a assumir-se como um Interface Rodoferroviário. Ou seja, a partir desse dia, “todas as operadoras de transportes, bem como os transportes alternativos do Metro”, passam a integrar nos seus percursos o Interface da Estação Ferroviária da Trofa.

“Assumindo uma dimensão importante no aumento da qualidade de vida dos cidadãos, na defesa da sustentabilidade ambiental e no incremento da qualidade do ambiente urbano, a Câmara Municipal da Trofa diligenciou junto de todas os operadores de transportes que servem o concelho, a criação de um sistema de interface articulado, reunindo o Comboio (CP), os Transportes Alternativos da Metro do Porto, e os operadores Arriva, Transdev, Transportes Maia e Auto Viação Pacense”, avançou fonte da autarquia.

A inovação deste projeto, que reside na “adoção de uma solução de mobilidade integrada e global”, vai permitir “uma melhoria substancial na gestão do sistema de mobilidade e transportes e das condições de acessibilidade da população da Trofa e dos concelhos vizinhos”.

Esta iniciativa surge agora como “optimizadora de todos os componentes num único sistema central” e na sequência dos esforços realizados pela Câmara Municipal da Trofa, com a finalidade de “potenciar o Interface da Trofa e prolongar o percurso do serviço dos Transportes Alternativos da Metro do Porto até à Estação Ferroviária”, potenciando “uma visão integrada do sistema e a manutenção a longo prazo de uma plataforma de encaminhamento pendular” de trofenses e visitantes.

De forma a complementar esta “nova valência”, a autarquia trofense reuniu-se com todas as empresas de transportes que operam no concelho para que alteram os seus percursos, ajustando-se “ao novo Interface”. “As operadoras mostraram-se todas disponíveis para este ajuste, por isso, os novos percursos e as novas paragens entram em vigor já a partir de 1 de fevereiro”, denotou.

As alterações a introduzir, que serão devidamente anunciadas e publicitadas nos locais em causa, consistem em mover a paragem frente à Igreja Nova da Trofa, para o início da Rua que liga a rotunda do Cenfim ao Interface. Já a paragem do Parque Dr. Lima Carneiro será desativada, uma vez que a alteração programada dos percursos vai permitir que os utilizadores desta paragem, passem a utilizar as paragens existentes na EN104 junto ao Banco Espírito Santo e Caixa Geral de Depósitos.

A Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto (AMTP), responsável pela gestão e promoção do Interface, esteve envolvida na dinamização da Interface e concordou com as novas medidas de dinamização do Interface, tendo ficado responsável por encetar esforços para “alargar” o Andante à Trofa.

“Com a concretização de mais esta reivindicação, a Câmara Municipal da Trofa avança assim, com mais uma ação que aposta na implementação de alternativas de mobilidade sustentável e ativa, e que tem como elemento central o planeamento, a integração e a otimização dos meios já disponíveis, criando um sistema de gestão integrada de acessibilidade”, concluiu.