quant
Fique ligado

Edição 477

Atletismo do Bougadense no pódio em várias provas

Publicado

em

A Pista do Estádio Municipal Vieira de Carvalho, na Maia, foi palco dos Campeonatos Regionais de Juvenis da Associação de Atletismo do Porto, que se realizou nos dias 7 e 8 de junho, onde a secção de atletismo do Atlético Clube Bougadense esteve representada.

 

Nos cem metros planos, João Gomes subiu ao 3.º lugar do pódio, enquanto Sara Faria, Ana Lopes e Sofia Maia alcançaram o 6.º, 16.º e 24.º posições. Nos 110 metros barreiras Alexandre Sá conseguiu o 4.º lugar, enquanto que nos 1500 metros participaram Alice Oliveira (5.º), Rui Rocha (7.º) e Catarina Ribeiro (11.º).

Enquanto nos 200 metros correram João Gomes (3.º) e Sara Faria (8.º), nos 300 metros estiveram Ana Silva (9.º) e Tiago Sá (13.º).

Na prova dos três mil metros Catarina Ribeiro alcançou a 6.ª posição, enquanto que no triplo salto Alexandra Sá ficou-se pelo 4.º lugar e Ana Oliveira pelo 5.º lugar.

No estafeta Medley, que inclui as provas de cem, 200, 300 e 400 metros, a secção de atletismo de Bougado conseguiu o 3.º lugar feminino, através de Sara Faria, Ana Lopes, Ana Silva e Alice Oliveira, e o 4.º lugar masculino, através Alexandre Sá, João Gomes, Tiago Sá e Rui Rocha.

Em coletivos, tanto as equipas femininas como as masculinas alcançaram a 10.ª posição.

Publicidade

Também no sábado, Deolinda Oliveira participou no Campeonato Nacional de Corrida de Montanha, que se realizou em Cinfães do Douro, onde obteve o 3.º lugar.

Já esta terça-feira, 10 de junho, a secção de atletismo bougadense esteve presente na 1ª Milha Urbana da Freguesia de Louredo, em Paredes. Em benjanins B, Joana Martins terminou a prova em 4.º lugar e Ana Mota em 8.º. Já em iniciados correu Rui Rocha (2.º lugar) e em juvenis participaram Catarina Ribeiro (6.º lugar) e Ana Silva (7.º lugar). Em juniores/seniores/veteranos, Deolinda Oliveira alcançou a 6.ª posição.

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 477

A Grande Mentira

Publicado

em

Por

Gualter-Costa

Gualter-CostaDurante os últimos anos não se falou de outras coisa se não da Europa, da crise, da troika, mas sobretudo de austeridade. Da necessidade de cortes, recortes e de ajustes orçamentais para não nos desviarmos das médias europeias. Da obrigatoriedade de nos submetermos aos caprichos e aos ditames alemães de mais austeridade. De mais contenção orçamental para nos considerarmos dignos de pertencer à União Europeia. Da necessidade de sermos considerados o “aluno exemplar” para que os mercados não se sentissem inseguros face aos desvaneios da nossa economia.

Mais de três anos volvidos após a chegada da troika a Portugal é hora do balanço. Para que serviu afinal tanta contenção e austeridade?

Esta é a pergunta fundamental à qual todo o centrão de direita não quer responder. Uns fingem-se moribundos, outros histéricos, outros ainda dramatizam, mas tudo isto não passa de encenações e manobras táticas devidamente estudadas para entreter o povo e evitar prestar contas perante a falta de resultados concretos e tangíveis de três anos de austeridade.

PSD e CDS regozijam-se ainda com a virtual saída da troika; dizem-nos que recuperámos a soberania, mentem-nos com a história da “saída limpa” e iludem-nos com o regresso aos mercados. Até já prometem apostar em políticas sociais e dizem equacionar um aumento do salário mínimo. Promessas, meras promessas, que todos sabemos que nunca virão a ser cumpridas. O PS, no momento em que o país mais necessita de um Partido Socialista forte, coeso e decidido no combate às políticas austeritárias, diverte-se com o reacender de velhas guerras internas, ignorando o país e incentivando a hegemonia da direita salazarenta. Prefere apostar nos faits divers de uma indecisão visceral entre o pseudo-reformismo socrático de Costa ou a total inexistência política de Seguro. Não podia haver melhor forma do PS contribuir para a eternização da direita no poder e para a austeridade sem fim. Confirma-se que socialismo no atual PS, só existe mesmo no nome.

No Bloco de Esquerda sabemos bem para que serviu tanta contenção e austeridade. Sabemos quem lucrou e continuará a lucrar com a grande mentira. Sabemos que os tempos que se aproximam não serão risonhos como a direita se esforça por pintar. O futuro vislumbra-se tão negro ou ainda mais quanto o passado recente. A austeridade veio mesmo para ficar e os vários aumentos brutais de impostos já anunciados confirmam-no.

Uma austeridade que serviu apenas para financiar e resgatar uma infinidade de crimes económicos e sociais cometidos por um punhado de simpatizantes do poder estabelecido (e que a julgar por várias notícias recentes parece ainda não ter findado). Uma austeridade que em vez de contribuir para a diminuição da dívida pública, pelo contrário agravou-a. Uma austeridade que em vez de fornecer músculo e oportunidades à nossa economia a enfraqueceu, atirando centenas de milhar para o desemprego ou para a emigração forçada. Uma austeridade que sob a falácia de potenciar as exportações, mais não fez que aniquilar o mercado interno. Uma austeridade que não foi um meio para corrigir as assimetrias financeiras e contabilísticas do Estado, mas um fim em si. Um fim que visa a diminuição dos custos de trabalho na Europa. Uma austeridade falaciosa de que Portugal, Grécia, Irlanda e Espanha são apenas cobaias, mas que irá metastizar-se em breve por toda a Europa.

Sob a capa de que vivemos acima das nossas possibilidades, de um hipotético colapso do nosso sistema financeiro, da insustentabilidade do estado social, do despesismo público, da ingovernabilidade ditada pela constituição, está a ser-nos imposta a velha agenda neoliberal. Uma nova ordem mundial que tem como objetivos a reconfiguração dos estados, o ataque à democracia, o embaratecimento da mão de obra qualificada. Um processo com vista à concentração de riqueza mundial num punhado de castas. Um plano oculto, que em breve permitirá o usufruto a preços da chuva das principais vantagens competitivas da Europa: o conhecimento, a cultura e know-how europeus desenvolvidos durante séculos. Uma vantagem competitiva inigualável, que por traição dos principais líderes europeus aos seus povos ou por mera incompetência destes, está a engordar como nunca as infinitas contas bancárias de capitalistas americanos, oligarcas russos, xeques árabes e até comunistas chineses.

A maldita frase de David Rockefeller, “Estamos diante da oportunidade para uma transformação global. Tudo o que precisamos é a grande crise certa para as nações não apenas aceitarem a Nova Ordem Mundial, mas implorarem por ela.”, ajuda-nos a compreender o porquê e os reais objetivos desta parva austeridade.

Publicidade

Gualter Costa

Coordenador Concelhio Bloco de Esquerda Trofa.

gualter.costa@outlook.com

Continuar a ler...

Edição 477

Eu não esqueci. Eu não esqueço!

Publicado

em

Por

O Partido Socialista, que está a viver mais uma crise grave, ainda há pouco mais de duas semanas pedia eleições legislativas antecipadas e agora tem eleições para saber quem vai ser o seu candidato para governar o país. E assim vai Portugal! O maior partido da oposição, colocou-se numa posição muito ingrata ao ficar de costa(s) voltadas para o país e para os portugueses, para se autoflagelar e deleitar com a gestão de mais uma crise.

A luta fratricida pelo poder, dentro do PS, originou uma queda abrupta nas sondagens, que ainda há pouco tempo lhe davam quase 40% das intenções de voto, depois de três anos de subida sistemática nas intenções de voto, e agora atiraram-no para perto de 30%, um ponto abaixo do resultado pouco expressivo das eleições europeias.

Mudou muito em tão pouco tempo! O PS fez uma passagem muito rápida do paraíso para o inferno. Esta mudança deveria levar os socialistas a pensar no eleitorado, que não gosta deste tipo de guerras intestinais, mas o PS é pródigo em presentear o eleitorado com este tipo de guerrilha interna, principalmente quando começa a “cheirar” a poder. Os socialistas deslumbraram-se com as sondagens e já sonhavam com uma maioria absoluta nas próximas eleições legislativas, que se vão realizar no próximo ano e atiraram-se para uma disputa de liderança.

Ávidos de poder, os socialistas ficaram cegos! A disputa de liderança no PS, já originou algumas afirmações graves, que devem levar o eleitorado a pensar e a repensar quem são, e como são os atuais dirigentes e potenciais futuros dirigentes do maior partido da oposição, o Partido Socialista. «António Costa foi o número 2 de José Sócrates». Esta afirmação, dita por simpatizantes, militantes ou dirigentes dos partidos da governação, não seria de estranhar, agora dita por um socialista, pelo secretário-geral do PS é que é de “bradar aos céus”. E disse-o numa entrevista televisiva, para todos os portugueses ouvirem.

Esta afirmação vem alertar, lembrar e corroborar a opinião de que José Sócrates foi, provavelmente, o pior primeiro-ministro de Portugal. Eu não esqueci. Eu não esqueço! Não sou dos que assobio para o lado e faço de conta que tudo começou em julho de 2011, com Pedro Passos Coelho e Paulo Portas. O “socratismo” foi a génese de todo o mal, que ainda estamos, e estaremos a pagar.

Não se pode esquecer que houve um notável português, José Sócrates, um “engenheiro” feito à pressa, licenciado ao domingo, metido em muitas trapalhadas, que foi primeiro-ministro de um governo socialista, durante mais seis longos anos, que se “exilou” em Paris, deixando Portugal na bancarrota, com a pior dívida dos últimos 160 anos e que solicitou a ajuda da «troika», originando a austeridade que vivemos.

O Partido Socialista é o partido do FMI em Portugal, pois foi o PS que levou Portugal à ruína três vezes em menos de 40 anos. Eu não esqueci. Eu não esqueço! O «costismo» é a face atual do «socratismo». Não sou eu que o digo. Quem o afirmou, na praça pública, foi o mais alto dirigente do Partido Socialista. Está tudo dito! 

Publicidade
Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);