Nove atletas do Departamento de Formação assinaram contratos de formação com o Clube Desportivo Trofense, ao final da tarde de terça-feira, 6 de maio.

A sala de troféus, onde imperam as glórias conquistadas, elementos da direção e atletas do Departamento de Formação do Clube Desportivo Trofense assinaram contratos de formação, que une os jovens até à primeira época de seniores.

Do lote de atletas que assinaram os contratos de formação com o Clube fazem parte os juvenis Rogério (avançado), Maciel (avançado), Neto (médio), Justino (defesa), Rui André (defesa) e Hugo (médio) e os juniores Simãozinho (avançado), Bruno Simões (médio) e Miguel Ângelo (defesa).

Para o juvenil Hugo Silva, este contrato significa “uma etapa conquistada,” porque foi no Trofense que “começou e onde deixou o seu suor e o seu trabalho”, sendo, para si, “uma grande honra assinar por este clube que gosta e é da sua terra”. Contudo, o juvenil tem consciência que, apesar de “o valor estar cá, a responsabilidade aumenta”. “Se conheço bem esta equipa e este grupo penso que não vamos dar hipótese, não vamos facilitar e vai correr tudo bem”, acrescentou.

Também para o júnior Miguel Guimarães, que na próxima época ascende ao primeiro ano de sénior, este é “um concretizar de um sonho que já venho a alimentar há vários anos”, recordando que joga no Trofense “desde os sete anos” e que “um dos meus maiores objetivos sempre foi representar este clube”, tendo “trabalhado imenso para chegar ao plantel profissional”. Miguel Guimarães avançou que “não é só assinar e está bom”, mas que “agora” está na altura de “representar da melhor maneira este clube” e “trabalhar a 110 por cento para justificar às pessoas o porquê de terem assinado este contrato”.

A apadrinhar o ato das assinaturas do contrato esteve o capitão Tiago que contou que a assinatura de um contrato “é muito importante” pois significa que “as pessoas acreditam no valor deles”. Contudo é também “uma responsabilidade tremenda”, uma vez que os jovens “têm que se mostrar cada vez mais e não baixar os braços” e, “mais importante, para serem mais humildes e pensarem em prol do grupo e não no ‘eu’”. Na fase de transição de juniores para seniores, o capitão transmitiu aos jovens que estes devem “saber e querer ouvir os conselhos dos mais velhos”. “Acima de tudo ser humilde e não chega só ser bom jogador, um atleta tem que ter muita vontade em vencer. Vê-se bons atletas que não chegam muito longe, por faltar algo e uma pessoa tendo a vontade e a humildade de querer vencer na vida, tudo se torna mais fácil como é lógico”, aconselhou.

O responsável pelo Departamento de Formação e vice-presidente, Manuel Wilson, explicou que os jovens que assinaram um contrato de formação são um conjunto de jogadores que passaram pelos vários escalões de formação do Clube e que estão identificados pelos responsáveis do Departamento com potencial para percorrerem o caminho até à profissionalização. “Não basta dizer que vamos apostar na formação é preciso fazer algo. Nesse sentido, entendemos que seria a altura ideal para formalizar e divulgar os contratos de formação”, asseverou.

Já Paulo Melro, presidente do Clube, avançou que esta é “uma aposta que o Trofense faz no potencial que estes miúdos têm”, esperando que “grande parte deles possam vir a fazer parte do plantel profissional”.

O Clube informou ainda que os jogadores do escalão juvenis estão a participar na fase de subida aos campeonatos nacionais e os jogadores do escalão de juniores fizeram a pré-época com a equipa de futebol profissional e têm participado ao longo da época em vários treinos, tendo, inclusive, o jogador Simãozinho chegado a ser convocado pelo treinador Porfírio Amorim.

 

Porfírio Amorim tem “mais que potencial” para continuar no comando do Trofense

Sobre a manutenção do plantel sénior do Trofense, o presidente, Paulo Melro, adiantou estar com “a sensação de dever cumprido”, apesar das “limitações que o clube tem” e das “incidências que foram ocorrendo ao longo da época”. “Conseguimos em boa hora inverter o rumo que estávamos a tomar e com a competência do departamento do futebol, com a equipa técnica e com o treinador em especial, fomos capazes de pegar neste grupo e fazer melhores resultados, acabando por terminar com esta manutenção garantida uma jornada antes do fim”, enumerou.

Para o último jogo, em que o Trofense vai defrontar o Chaves pelas 16 horas de sábado, Paulo Melro avançou que os jogadores vão “ser dignos e profissionais até ao fim, mas com a sensação de alívio e de dever cumprido”.

O presidente admitiu que “já está a virar as energias para a preparação da próxima época”, que espera que seja “bem mais tranquila do que esta”. Nesse sentido, Paulo Melro avançou que o técnico Porfirio Amorim tem “mais que potencial” para continuar, sendo “uma base e um pilar do nosso projeto na próxima época, que assenta na competência” do treinador e “daquilo que pode dar à equipa profissional”. “Em vez de estarmos a remendar um plantel, se conseguirmos construir para o ano poderemos fazer um trabalho mais descansado, mais preparado com estas pessoas em devido tempo”, declarou.

Paulo Melro afirmou que “vem falando” com Porfírio Amorim, havendo “uma ligação forte com as pessoas que estão envolvidas com o clube, sendo, por isso, uma coisa que vai acontecendo naturalmente a cada decisão”. “Entre nós quase que não é preciso dizermos para continuar ou não, porque isso é uma sequência natural do trabalho que está a ser feito. Claro que terei sempre que respeitar aquela que é a vontade do treinador, mas conhecendo as pessoas como conheço e o empenhamento e a forma como estão envolvidas no projeto, muito provavelmente será este o caminho que vamos seguir”, concluiu.