Um militar da GNR de Santo Tirso foi alvejado no braço com um disparo de uma arma de chumbos, domingo à noite, quando se encontrava de serviço nas imediações do estádio do Trofense, na Trofa.

  O disparo terá partido de uma carabina de pressão de ar, havendo suspeitas de que tenha sido desferido de uma residência nas proximidades do estádio do Clube Desportivo Trofense.

As investigações prosseguiam, de acordo com o JN durante o dia de segunda-feira, para apurar a identidade do atirador, admitindo-se que aquela acção tenha sido uma retaliação premeditada contra a força de segurança e não uma simples "brincadeira".

Segundo o JN apurou, tudo aconteceu cerca das 23 horas. O militar, afecto ao Destacamento de Santo Tirso da GNR, estava a em missão de ordenamento de trânsito, num serviço gratificado. Na altura, reinava a acalmia na zona, uma vez que o recinto desportivo já estava vazio e as claques também tinham abandonado o local, estando a ser feitos os preparativos para a escolta dos árbitros, por parte do dispositivo policial destacado para o jogo.

Sem que nada o fizesse prever, o elemento da GNR sentiu uma "chumbada" no braço e verificou que estava ferido. "Atingiu-o de raspão e provocou-lhe uma pequena escoriação", revelou um colega citado pelo JN, acrescentando que a vítima foi assistida no Hospital de Santo Tirso e teve alta pouco depois. Ontem, deslocou-se ao Instituto de Medicina Legal para ser examinado e retomou normalmente o serviço.

Carro incendiado no centro da Trofa

 

O alarme soou a incêndio no quartel dos Bombeiros Voluntários da Trofa cerca das 23,30 horas de domingo. Uma viatura ligeira de passageiros foi incendida quando se encontrava estacionada na Rua Camilo Castelo Branco, no Centro da Cidade da Trofa.

Segundo o NT conseguiu apurar este acto de vandalismo nada teve a ver com o jogo Trofense/Guimarães mas ter-se-à tratado de um ajuste de contas entre familiares.

A viatura de marca Fiat Bravo ficou danificada na parte traseira e só a rápida intervenção dos Bombeiros Voluntários da Trofa evitou um desfecho mais trágico. Não houve feridos a registar.

A Polícia Judiciária (PJ) e a GNR da Trofa estiveram no local e a investigação segue sob a alçada da PJ do Porto.