ard-coronado-1

Seis equipas no Campeonato Concelhio da Trofa, Danças de Salão, Aeróbica, Danças para Crianças e Paintball são as apostas da Associação Recreativa Desportiva do Coronado que nasceu para dar resposta aos anseios desportivos da população. O percurso tem sido sinuoso, mas as conquistas superam esses momentos menos bons, garantiu a direcção, que se projecta para o futuro com ambição.

Em quatro anos e meio de existência a Associação Recreativa e Desportiva do Coronado cresceu e agora começa a marcar o seu cunho não só na freguesia, mas no concelho da Trofa.

A colectividade foi pensada por um grupo de pais e atletas que ambicionavam um clube onde pudessem marcar a diferença e caminhar com os próprios pés, sem limitações de direcções que não compreendiam os seus objectivos e ambições. Assim, foi no dia da liberdade nacional em 2005 que nasceu a Associação Recreativa e Desportiva do Coronado.

A primeira aposta da colectividade foi no campeonato concelhio da Trofa, onde começou com uma equipa sénior feminina e juniores masculinos e no ano seguinte alargaram ao escalão de juvenis. Face às despesas que o grupo enfrentava e à dificuldade de ajudas para uma associação ainda tão nova e desconhecida, a direcção arriscou em algo novo na freguesia e que a população ia reclamando: aeróbica. As aulas foram um investimento com sucesso que permitiram suportar as equipas de futsal e ainda ajudaram na dinamização do nome deste grupo.

Entre os jogos das suas equipas, festas de aniversário com jogos tradicionais e peddy-paper dinamizados no centro da freguesia, Festas de Natal Solidárias e participações nas Festas dos Padroeiros da terra, o nome da ARD Coronado foi crescendo e conquistando cada vez mais simpatizantes na freguesia.

“As pessoas começaram a abordar os elementos da direcção e a referir algumas ideias como a criação de novos grupos e novas modalidades. Algumas conseguimos realizar com o apoio da Câmara Municipal da Trofa, como o caso das danças para crianças e danças de salão, onde a autarquia nos forneceu horas no Pavilhão de S. Romão para a realização das aulas, tal como já acontecia com a aeróbica. O paintball também teve um apoio importantíssimo da Junta de Freguesia, que nos emprestou um espaço para os confrontos se poderem realizar. Há sugestões muito interessantes, que até vão de encontro a anseios nossos, mas são de difícil realização”, referiu a direcção.

Face à crise que o país atravessa, torna-se cada vez mais difícil as ajudas dos patrocínios. “Não temos equipas federadas, o que às vezes nos fecha as portas dos patrocínios. Percebemos que esta é uma fase complicada para toda a gente, por isso tentamos acordar com os patrocínios alguns serviços ou ofertas não monetárias, que estes mais facilmente possam fazer e que para nós são uma grande ajuda, mas o suporte financeiro essencial vem das actividades pagas, como as danças de salão, danças para crianças e aeróbica. Fizemos um investimento inicial grande para o material e na aquisição de professores competentes na área e felizmente temos tido sucesso, que se deve essencialmente ao excelente grupo de professores que nos acompanham e aos preços baixos que praticamos, porque acima de tudo queremos responder às necessidades da população, que não consegue aceder aos ginásios por questões económicas e que em nós encontram uma porta de acesso ao desporto e ao lazer”, referem as responsáveis por estas actividades.

No futsal, a associação apresenta este ano uma forte participação no campeonato concelhio da Trofa, com cinco equipas e uma no futebol de 11. Os iniciados são treinados por Dário Esteves, os juvenis comandados por Ivo Silva, os juniores por Vítor Maia e os veteranos liderados por Paulo Paiva. As atletas seniores são comandadas por Sérgio Almeida, enquanto os homens do futebol de 11 são treinados por Carlos Gonçalves.

Expectativas elevadas esta temporada

As expectativas para esta época são elevadas, depois dos bons resultados da época transacta, onde os iniciados conquistaram o terceiro lugar, os juvenis o segundo lugar, os juniores o sexto e o feminino foi terceiro classificado. Quanto às equipas recém-formadas “acima de tudo são equipas para se divertirem, com pessoas mais velhas, que assim podem afastar o stress do dia a dia”, garantiu o presidente da associação, Fernando Sousa. “Claro que queremos ver empenho da parte deles e se os bons resultados surgirem ainda melhor”.

“Temos muitas pessoas ligadas a nós neste momento, o que mostra que mesmo com alguma inexperiência temos conseguido levar o nome da associação a bom porto e conseguido acompanhar os desejos da população. Além de todos os jogadores que o futsal e o futebol movimentam, a aeróbica, a cargo da professora Micaela Pereira, tem apresentado um crescimento bastante acentuado, à semelhança do que aconteceu com a dança para crianças, ministrada pela professora Joana, que agora se divide em dois grupos. As danças de salão, a cargo do professor Carlos Araújo, também se revelam um sucesso, tendo sempre a sala cheia”, referiu o responsável.

“A Câmara Municipal tem-nos dado uma ajuda importante nos espaços para a prática das nossas aulas no Pavilhão. Aproveito para deixar o apelo para não nos fecharem o acesso à escola de Fonteleite, onde estamos a encontrar algumas dificuldades de uso de espaço, o que é uma pena, porque se não for dessa forma teremos que negar as aulas de dança aos nossos pequenos, que sabemos que é algo que eles adoram e que já faz parte da vida deles. A Junta de Freguesia também tem estado sempre do nosso lado, ajudando-nos em várias iniciativas, o que mostra a preocupação do nosso presidente em ver a população adoptar hábitos de vida saudáveis e conviver”, acrescentou o presidente.

O paintball tem sido uma actividade pouco explorada, dados os recursos humanos serem poucos e esta actividade necessitar de uma supervisão cuidada, segundo o grupo.