Recheada de "contributos qualitativos e quantitativos", foi assim que António Azevedo, presidente da Junta, caracterizou a Assembleia de Freguesia de Santiago de Bougado que reuniu na passada terça-feira, dia 19, pelas 21.30 horas, no auditório.

  As sugestões para uma melhor actuação do executivo da Junta de Freguesia serviram de mote a mais uma sessão da Assembleia de Santiago de Bougado com Jerónimo Torres, do partido socialista a pedir a palavra para falar sobre alguns assuntos de interesse para a freguesia. Os assuntos mencionados estavam relacionados sobretudo com algumas empreitadas que o membro desejava ver concretizadas na freguesia. Deu como exemplos a rede viária que liga Bairros à Lagoa, a estrada da CEE e a que liga Cidai à EN104 , que "devem ser conservadas". Referiu ainda a Rua Blandina Sampaio que necessita de um alargamento, a Ponte da Vigenta que "foi dada por finda, mas nunca mais terminou" e a ponte na Rua Avelino Padrão que precisa também de um alargamento. Jerónimo Torres colocou algumas questões relativamente à utilização de escória como pavimentação de algumas ruas da freguesia, "será que em Santiago não tem escória a mais? E isso não terá alguns efeitos negativos para o meio ambiente?". Na opinião deste membro há também necessidade de limpeza do ribeiro (Rio Trofa) que está a ficar "entulhado".

Em seguida pediu a palavra Manuel Campos, membro da bancada social-democrata que dirigindo-se em especial para o membro socialista que acabara de falar, concordou com a necessidade de requalificação da estrada da CEE, "mas penso que isso está a ser tratado", reiterou. Quanto à Ponte da Vigenta, o membro do PSD lembrou que as restantes obras competem ao Instituto de Estradas de Portugal, neste sentido "o senhor fazendo parte de um partido com representantes em Lisboa, também pode fazer alguma pressão", asseverou. Quanto à limpeza do Rio, mostrou-se de acordo com o membro da oposição, mas discordou relativamente à utilização da escória, porque "eles com certeza têm análises químicas feitas", afirmou.

Jerónimo Torres pediu novamente a palavra, explicando ao presidente da mesa, Manuel Carneiro, que o membro social-democrata "veio intrometer-se e dar respostas às propostas que eu apresentei ao presidente da Junta".

Antes de responder às várias questões colocadas, António Azevedo, presidente da Junta de Freguesia, mostrou-se satisfeito com os "contributos qualitativos" para o desenvolvimento da freguesia por parte dos membros da assembleia. Quanto à estrada da CEE, explicou que esta será mais tarde pavimentada com o início do projecto do Parque das três Azenhas e lembrou que as restantes ruas estão à espera de ser pavimentadas depois de colocado o saneamento, mas caso dependesse dos membros do PS, "que votaram contra o pedido de empréstimo na reunião de câmara", esta empreitada estaria comprometida. Quanto às pontes e limpeza no Rio Trofa, o presidente do executivo concordou e afirmou serem "exigências para futuro". Relativamente à utilização da escória, apenas nos terrenos agrícolas, "nós tivemos gratuitamente 50 mil toneladas de escória", afirmando ter análises clínicas da mesma, efectuadas pelo LNEC.

Na ordem dos trabalhos, o presidente da Junta enumerou as várias ruas pavimentadas, acrescentando "estamos paulatinamente a acabar com as ruas em terra batida" e apresentou as ruas pavimentadas em escória. Na questão do saneamento e água, já na sexta fase, António Azevedo pediu o apoio na "campanha de sensibilização" da população para a ligação das águas à rede pública, porque "é muito dinheiro, mas existe facilidades de pagamento", declarou. A delimitação da freguesia "está concluída" e neste ponto o presidente da Junta apenas lamentou o facto de o presidente da Junta de Alvarelhos, Joaquim Oliveira, "não ter comparecido nas várias reuniões marcadas". Deste modo, o IGP, Instituto Geográfico Português fez a delimitação "e o terreno que diziam ser de Alvarelhos afinal é de Santiago", afirmou.

No ponto relativo ao orçamento e ao PPI, Plano Plurianual de Investimentos, "já não dependemos do Estado", afirmou o presidente do executivo, visto que o Estado apoia Santiago de Bougado com 88.750 euros, a Câmara Municipal com 395.000 euros e no capítulo das receitas próprias a Junta recolhe 393.605 euros por ano.

Depois do esclarecimento ao membro socialista, Sérgio Torres, quanto a alguns valores do orçamento votado favoravelmente por unanimidade, António Azevedo pediu a votação da proposta de delegação de algumas competências, da Câmara Municipal para a Junta de Freguesia, com a qual os membros concordaram.

No período de intervenção do público, Armando Pinto, residente em S. Martinho de Bougado, pediu a palavra e sugeriu a limpeza do ribeiro da Samugueira, a requalificação dos passeios na EN104 que "estão muito fracos", a limpeza das caixas de saneamento na Rua Padrão e a colocação dos placards "inestéticos"em locais mais apropriados, para que não prejudiquem a condução.

O presidente da Junta de Santiago, quanto à limpeza do ribeiro esclareceu que falta a ligação ao emissário, mas "a câmara já está a fazer pressão sob a empresa águas do Ave". A limpeza às caixas de saneamento, é efectuada "mas Santiago recebe muitos lixos de S. Martinho", alertou. Concluindo, o presidente do executivo da Junta referiu-se à colocação dos placards, "desde que cumpram a legalidade", nada poderá ser feito, visto que este assunto compete aos técnicos da câmara.