O Centro de Dia, a capela mortuária, sinalização e requalificação de ruas foram alguns dos temas discutidos em Assembleia de Freguesia de Guidões, realizada na passada sexta-feira. Em jeito de balanço foram também apresentadas as acções desenvolvidas desde a última assembleia, o PPI e o orçamento de despesas para o próximo ano.

   "Não vou mais comentar artigos de imprensa". Foi desta forma que Bernardino Maia, presidente da Junta de Guidões respondeu a um dos primeiros assuntos levados a discussão na Assembleia de Freguesia, realizada na passada sexta-feira.

A entrevista que o presidente deu ao O Notícias da Trofa e que saiu na edição dia 1 de Outubro serviu de mote para a oposição questionar Bernardino Maia sobre a sua posição na obra do Centro de Dia prevista para Guidões.

Do PCP, Atanagildo Lobo, referiu que na entrevista o edil "fala de uma obra fundamental para Guidões, dando a entender que essa obra é da Junta de Freguesia. É urgente não gerar confusões e saber separar o que são obras da Junta, obras da Câmara Municipal e obras de outras instituições". Também Joaquim Ferreira, do PSD, questionou Bernardino Maia em que posição falou sobre o projecto, ao qual o presidente respondeu ter falado "na posição de presidente e não como membro da Associação de Reformados da Trofa", explicando que as "interpretações dada pela imprensa por vezes não têm o mesmo sentido que lhe queremos dar". O edil referiu ainda que não vai mais "comentar artigos de imprensa".

Joaquim Ferreira alertou ainda no ponto antes da ordem do dia para o regulamento da lei das finanças locais, o qual, segundo o presidente, "está a ser feito para estar concluído ainda antes da data obrigatória (Janeiro de 2009)".

Sobre o desenvolvimento do projecto da capela mortuária também questionada pelo membro do Partido Social Democrata, Bernardino Maia frisou que o mesmo "está na Câmara Municipal da Trofa e espera pelo início do concurso em Janeiro do próximo ano", explicando que a demora da entrega do projecto deveu-se ao facto do terreno para a obra ainda não ser propriedade da Junta de Freguesia".

Sobre o que já foi feito para resolver o problema da sinalização na freguesia, também enunciado por Joaquim Ferreira, o presidente da Junta respondeu que "o projecto já está feito há bastante tempo, foi enviado à Câmara Municipal da Trofa um ofício, mas até agora ainda nada nos foi dito".

No período da Ordem do Dia foram apresentadas as acções desenvolvidas pela Junta entre 28 de Setembro e 14 de Dezembro. Questionado sobre as repostas da Câmara Municipal às solicitações da Junta para a colocação da placa informativa da qualidade da água no fontanário do Bicho, para o reforço da energia eléctrica pública das Ruas 1º de Maio e António Alvim Lopes Silva, Bernardino Maia afirmou que "estamos à espera que seja feito algo".

Foi apresentado também o Plano Plurianual de Investimentos para 2008, que mereceu a crítica de Atanagildo Lobo pelo facto deste prever a requalificação de diversas ruas de Guidões. O membro do PCP referiu que a capela mortuária é a obra mais importante para a freguesia, pelo que a Junta de Freguesia deveria deixar o arranjo de ruas e valorizar o projecto.

Bernardino Maia reiterou que "vão ser feitos todos os esforços para canalizar dinheiro para a capela", mas referiu que "a Câmara Municipal não vai retirar dinheiro para as obras das ruas para o usar noutros equipamentos como a capela".

Joaquim Ferreira também criticou o PPI, sublinhando que "é sempre a mesma coisa" e sobre o orçamento de despesas para 2008, o membro do PSD questionou o edil guidoense sobre o aumento de despesas para a manutenção de ruas e arranjo de jardins, já que a freguesia de Guidões não foi dotada de novos espaços verdes à excepção da zona da Igreja, "que é da responsabilidade da Câmara Municipal". Bernardino Maia negou a responsabilidade da autarquia para a manutenção dos jardins e explicou que o aumento de custos para a conservação de ruas se deve ao facto de se ter "contratado empresas especializadas, porque se queremos as ruas mais limpas temos que gastar mais".

Posto a votação o PPI e o orçamento de despesas de 2008 mereceram que oito votos a favor e uma abstenção do PCP.

Em jeito de conclusão, o presidente da Junta apresentou o plano de limites da freguesia e anunciou que vai reclamar terrenos que foram doados a Alvarelhos, merecendo a unanimidade da Assembleia.