A reforma administrativa foi um dos temas mais importantes que se discutiu na Assembleia de Freguesia de S. Romão do Coronado. Os elementos do PSD apresentaram uma proposta de parecer, na qual consta que “a Assembleia de Freguesia” é “favorável à reorganização administrativa do território e poderá ser considerada como polo preferencial de atração de freguesias contíguas”.

O documento mereceu a aprovação dos cinco elementos sociais-democratas, mas foram rejeitados por três socialistas, enquanto Rui Damasceno, também do PS, absteve-se. Este é “a favor das alterações” que possam acontecer à luz da reforma administrativa, mas defende que “é necessário debater bem como as fazer”. “Tem que haver um debate construtivo e devemos esquecer a parte política. Eu considero que esta reforma pode unir forças, fazer uma freguesia mais forte. 

Já os restantes elementos do PS apresentaram uma declaração de voto, em que “rejeitam completamente e de forma inequívoca a reorganização administrativa territorial autárquica proposta e consideram que esta Assembleia de Freguesia deverá também pronunciar-se desfavoravelmente”. A presidente da Assembleia, Alexandra Martins Oliveira , decidiu não convocar uma sessão extraordinária para discutir o tema. “Pensava que iria ter uma plateia mais cheia. Estamos em representação do público e se fosse uma plateia com muitas pessoas, alargava-se o diálogo. Neste caso, a proposta avançará”, referiu.

Esta decisão levantou a indignação dos romanenses presentes que, no período de intervenção do público, condenaram o facto de não se poderem pronunciar antes de a proposta ser aprovada. José Carvalho lamentou “a atitude dos membros” ao “apresentarem um parecer e declaração de voto sem quererem ouvir o parecer da população”. “Toda a gente tem o direito de apresentar a sua opinião”, acrescentou.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF

 {fcomment}