Na última Assembleia de Freguesia do ano em S. Romão do Coronado, foram aprovados o Plano Plurianual de Investimentos (PPI) e o Orçamento para 2011. Bancada socialista votou contra as propostas.

A empresa Savinor, o Futebol Clube S. Romão e as escolas do Ensino Básico foram alguns dos assuntos abordados pelos elementos da Assembleia de Freguesia de S. Romão do Coronado, na sexta-feira.

Ricardo Teixeira, do PSD, voltou a abordar a questão da Savinor, referindo que foi criado o movimento de cidadãos anónimos “Ambiente Saudável”, que junta pessoas das freguesias de S. Romão e S. Mamede do Coronado e de Covelas com o objectivo de “pressionar a empresa para que a questão dos maus cheiros seja resolvida”. O social-democrata apelidou os cheiros de “epidemia” e acusou a Câmara Municipal de “não abordar o assunto”. A esta acusação Cecília Pereira, membro socialista, respondeu que a autarquia “está na disposição de arranjar uma entidade idónea para fazer a monitorização do ar”.

O presidente da Junta, Guilherme Ramos, acrescentou que o movimento surgiu depois de uma reunião que juntou, entre outros, “os presidentes da Junta das três freguesias, a Câmara Municipal da Trofa e outras autarquias da região”, para “forçar” a empresa a “dar passos no sentido das coisas melhorarem”. “Entretanto, isso deve ter chegado ao conhecimento da empresa e esta pediu aos presidentes de Junta e à própria Câmara Municipal para se reunirem com eles. Eles (Savinor) agarram-se ao facto de estar previsto avançar com a construção de um colector para encaminhar as águas que resultam da laboração da empresa, e que são uma fonte de cheiros, dizendo que estão disponíveis para avançar a qualquer momento, mas têm tido algumas dificuldades e que precisam que seja emitida uma Declaração de Utilidade Pública para poderem avançar com expropriações”, informou o autarca. Esta empreitada envolve ainda “a colocação de saneamento no lugar do Seixinho e na zona do Rio Covelas”.

Veja a reportagem completa na edição do NT, já nas bancas.