PS aprovou proposta contra a fusão da freguesia. Já o PSD defende que S. Martinho pode ser “pólo preferencial de atração de freguesias”.

A Assembleia de Freguesia de S. Martinho de Bougado aprovou uma proposta contra a fusão da freguesia. Os votos dos sete elementos do Partido Socialista viabilizaram o próprio documento, em detrimento de outro apresentado pelos sociais-democratas, que defendia que S. Martinho “reúne as condições para não se agregar”, mas “poderá ser considerada como polo preferencial de atração de freguesias contíguas”.

Numa sessão extraordinária, solicitada pelos eleitos do PSD, a Assembleia aprovou um documento, que já tinha sido apresentado no início de julho, perante uma plateia despida, com pouco mais de uma dezena de populares.

Daniel Lourenço, do PS, justificou o conteúdo da proposta aprovada, afirmando que a reforma administrativa “não se adequa ao concelho da Trofa e, neste caso, a S. Martinho de Bougado”, pois, a cumprir-se o critério de redução das freguesias que compõem a sede do concelho para 50 por cento (que obrigaria a junção de S. Martinho com Santiago de Bougado) isso iria provocar um “desequilíbrio demográfico”. “Tendo a freguesia de S. Martinho 15 mil habitantes e a de Santiago com seis mil, verificava-se um desequilíbrio”, afirmou. 

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF

 {fcomment}