Em entrevista ao NT, Ana Moreira da Silva, coordenadora do Centro Comunitário da Trofa explicou que este simulacro surgiu no âmbito de uma formação de dois dias sobre plano de emergência no centro e foi feito para "avaliar se a equipa estava apta para estar em condições de segurança em caso de incêndios".

   A Associação de Solidariedade de Acção Social (ASAS) da Trofa realizou um simulacro, esta quarta-feira, para testar o plano de emergência, que apesar de "pequenas falhas detectadas", revelou-se exequível. Deste "incêndio" resultaram quadro feridos, que segundo João Pedro Goulart, comandante em exercício dos Bombeiros Voluntários da Trofa, "foram prontamente assistidos pela equipa de emergência pré-hospitalar, três dos quais tiveram que ser evacuados do interior do edifício".

João Goulart referiu que a partir deste plano "se pretendermos ampliar a uma cadeia de socorro, este plano tem uma boa iniciação de segurança, que contará com a interacção com os Bombeiros Voluntários no sentido de velar qualquer foco de incêndio e qualquer ocorrência de maiores dimensões que possa deflagrar". O comandante em execício referiu ainda que encontrou no plano de emergência "pequenas falhas detectadas, que são passíveis de serem facilmente corrigidas".

Considerando "exemplar" a iniciativa levado a cabo pela ASAS, Goulart revelou que os Bombeiros Voluntários da Trofa, que demoraram cerca quatro minutos a chegar à instituição, serão sempre sensíveis a estas experiências e estão "dispostos a colaborar em qualquer situação, para melhorarmos quaisquer efeitos que possam advir deste tipo de ocorrências".

Em entrevista ao NT, Ana Moreira da Silva, coordenadora do Centro Comunitário da Trofa explicou que este simulacro surgiu no âmbito de uma formação de dois dias sobre plano de emergência no centro e foi feito para "avaliar se a equipa estava apta para estar em condições de segurança em caso de incêndios".

A coordenadora fez um balanço positivo da iniciativa, referindo que foi conseguida "uma boa evacuação dos utentes, quer dos idosos, quero das crianças e também conseguimos evitar situações de pânico".

Ana Moreira da Silva revelou que o Centro Comunitário da Trofa tem tido um ano muito dinâmico: "temos tido actividades diferentes, inovadoras em que temos conseguido captar a comunidade local para participar nas nossas actividades. Cada vez mais conseguimos ter famílias a participar nas nossas actividades, as crianças trazem os pais, os idosos trazem os filhos e os netos e isso permite-nos verificar que estamos a conseguir um público alvo considerável, que são as famílias da comunidade envolvente", concluiu.