Encher as principais ruas comerciais de luzes e animação, foi o mote deixado pela AEBA, aceite por muitos dos comerciantes trofenses, que pela primeira vez lançaram a campanha "Natal é na Trofa".

  A Trofa foi palco este ano de uma campanha de natal diferente. Em parceria com a AEBA – Associação Empresarial do Baixo Ave, os comerciantes trofenses deram uma nova vida ao Natal, com animação de rua e luzes nas principais ruas de comércio.

O objectivo é atrair a população da Trofa e de outros concelhos a fazer as compras desta época natalícia no comércio tradicional. Assim, à animação de rua e à iluminação, juntaram a Rota das rabanadas, concurso onde várias instituições e estabelecimentos comerciais participaram com as rabanadas confeccionadas das mais variadas formas, e também o concurso de vitrinas, onde os comerciantes aderentes vêm a vitrina com melhor decoração do concelho ser premiada.

O NT foi para a rua e ouviu as opiniões de alguns comerciantes e clientes do comercio tradicional e se para uns a iniciativa foi bem conseguida.

Paula Cruz, proprietária da loja "Cruise car", diz não ter aderido a este tipo de iniciativa "porque não me fizeram qualquer tipo de convite", mas para o próximo ano promete a sua participação caso "receba o convite", afirmou. Na sua opinião "este ano foi feita uma coisa totalmente diferente e isso é óptimo para o comércio da Trofa", referindo ainda "vejo mais população a fazer compras, porque este tipo de animação chama mais as pessoas".

Para Alexandrina Oliveira, proprietária da loja "Anete – decorações", não houve "muita alteração de movimento", mas "este tipo de iniciativas valorizam sempre o comércio, e pelo que tenho percebido esta animação dá outro ar ao comércio local, que está muito esmorecido", asseverou. Alexandrina, diz não estar arrependida de ter aderido à iniciativa, "porque desvalorizar nunca desvaloriza, pode não ter dado o impacto que estava previsto, mas como é o primeiro ano da iniciativa, é compreensível". Mas acrescentou que para o ano irá voltar a aderir às iniciativas propostas visto que "somos a favor de "puxar para cima" o comércio".

Quanto aos compradores, ou os principais alvos desta iniciativa, as opiniões reunidas foram muito favoráveis, e os trofenses mostraram-se bastante agradados com estas iniciativas de animação natalícia.

Elidia Santos, residente na Trofa e cliente do comércio tradicional concorda com a animação e deixa a sugestão "penso que o deveriam fazer mais vezes, não só no natal", porque "sem dúvida que este tipo de animação atrai muito mais as pessoas para comprar na Trofa, porque se um sitio não tem animação as pessoas sentem-se mais desmotivadas para comprar", concluiu.

Satisfeita com estas iniciativas do comércio local, Carina Areal deixou também a sugestão "devem continuar a fazer este tipo de eventos, porque chamam mais as pessoas para comprar na Trofa".

Mas se animação e iluminação nas ruas da Trofa foram uma constante o mesmo não se pode dizer da fluidez de trafego. È que nesta quadra natalícia as filas intermináveis para entrar e sair da cidade da Trofa, principalmente na EN 14, prejudicaram mais uma vez o comercio tradicional. Os automobilistas, depois de mais de meia hora para atravessar a cidade acabavam por perder a paciência e desistir das compras de Natal na Trofa.