O edifício da Junta de Freguesia de S.Romão do Coronado acolhe, desde o passado sábado, a sexta edição da Exposição de Artesanato e Pintura. Criações em madeira, cerâmica e vidro, bordados e obras de pintura são algumas da obras artísticas presentes nesta exposição, que pode ser visitada até 21 de Dezembro.

Nesta mostra colectiva, que pretende divulgar e manter viva a tradição artesanal, participam 11 artesãos, maioritariamente da Vila do Coronado. É o caso de Sandra Barbosa, presente nesta iniciativa pela quarta vez, para dar a conhecer os seus bordados e “mostrar às pessoas o que se fazia antigamente”. É uma forma de incentivar as pessoas a não deixarem acabar uma arte”, sublinha a jovem artesã de S.Mamede do Coronado.

Dedica-se aos bordados desde os 13 anos e marca presença regularmente em eventos como a ExpoTrofa e a Feira de Artesanato. “Comecei pelo bordado de ponto cruz e actualmente já faço qualquer tipo de bordado”, conta ao Notícias da Trofa. Sandra Barbosa lamenta não poder mostrar a sua arte em outros eventos de maior envergadura por motivos económicos. “Tenho convites da Exponor e do Mercado Ferreira Borges, mas nesses sítios pedem 500 ou 600 euros para participar, e isso é impossível para uma artesão”, explica.

A participar pela quarta vez na exposição, Conceição Cunha, de S.Romão do Coronado, dedica-se a esta arte há muitos anos. “Trabalhava numa escola onde fazia e ensinava estes trabalhos, depois parei e agora recomecei”, refere. Entre os trabalhos que faz actualmente para ocupar os seus tempos livres, encontram-se as bonecas de trapo e objectos feitos com escama de peixe.

Artesão de profissão, Fernando Silva veio de Alvarelhos para participar, pela primeira vez, na exposição, iniciativa que surgiu de um convite de alguns amigos artesãos também participantes no evento. Formou-se na área do artesanato, dedica-se ao vidro artístico e formou uma empresa há seis anos. Para Fernando Silva este tipo de iniciativas são valiosas “para puxar as raízes artesanais que estão um bocado adormecidas”. “É importante tanto para nós artesãos, que gostamos de mostrar os nossos trabalhos, como para os visitantes que, de certa forma, irão sentir essa ligação da nossa raíz”, sublinha.

A Exposição de Artesanato e Pintura nasceu da iniciativa da Junta de Freguesia que, somando já seis edições, depressa passou dos cinco artesãos da primeira edição para mais de uma dezena de participantes.

Guilherme Ramos, Presidente da Junta de Freguesia, refere, em declarações ao Notícias da Trofa, que este evento apresenta-se como um alternativa aos grandes eventos de muitas autarquias que “cobram determinados valores para as pessoas poderem apresentar os seus trabalhos, o que se torna muitas vezes incompatível para aqueles artesãos mais puros, que fazem disso um hobby e desta forma não têm condições para suportar esse tipo de custos”.

O autarca lamenta ainda não haver possibilidades de realizar esta exposição num espaço físico mais amplo para abranger um maior número de participantes, pelo que as instalações da Junta continuam a ser a solução encontrada para concretizar este evento. Uma alternativa apontada por Guilherme Ramos será o espaço da ASCOR (Associação de Solidariedade Social do Coronado), cujo funcionamento está previsto para o próximo ano. “Em vez de termos 11 ou 12 expositores poderemos ter 20 ou mais, porque felizmente há cada vez mais pessoas interessadas em expor e mostrar aquilo que vão fazendo”, afirma Guilherme Ramos, acrescentando que entende esta arte “como um trabalho de enorme valia em que vale a pena apostar”.

“São pequenas escolas que vale a pena aproveitar, divulgar e mostrar aos jovens como é possível fazer um sem número de actividades e trabalhos com materiais que, muitas vezes, vão para o lixo”, aponta o autarca.

A exposição encontra-se aberta ao público desde as 16h até as 20h durante a semana, e das 15 às 20h aos fins-de-semana e feriados.

 

Janine Barbosa