Cerca de 70 expositores marcaram presença na Feira de Natal do Coronado, que este ano teve maior dimensão com a integração da comunidade de S. Romão.

Até ao Natal um saltinho de pardal… ou de agapone. Pelo menos, estes ajudaram a colorir a feira natalícia do Coronado, que se realizou pela quarta vez na antiga fábrica da Pesafil, de 6 a 8 de dezembro.

Mas muito havia para além dos animais, na iniciativa organizada pela Junta de Freguesia. O artesanato, como é apanágio, foi o rei, com objetos para todos os gostos, feitos pelas mãos de artistas como Sandra Barbosa, que participa neste tipo de feiras “há dez anos”. Começou no ponto cruz, passou pela tirela e, atualmente, está voltada para os materiais recicláveis. Para esta feira, apresentou vários trabalhos feitos em papel (de jornais ou revistas), que deixaram os visitantes “admirados”. “Algumas pessoas pensam que é vime, pedem para pegar e aí é que se apercebem que é papel”, explicou.

Sandra era uma dos cerca de 70 expositores presentes na Feira de Natal do Coronado. Pelos corredores podiam ver-se acessórios, artigos de decoração, produtos gastronómicos e outros utilitários, mas o sabão destacou-se pelo efeito novidade e pelas formas que tinha, como corações, flores, anjos ou até mesmo presépios, para combinar com a época.
Susana Assunção é uma das responsáveis pelo projeto que “tem um ano” e que cresce “através da venda online” e de uma “parceria com uma loja no Porto”. E se achou que esta é uma boa altura para apostar na produção sabão, saiba que “não é um processo fácil”. “Trata-se de um método químico, que não é acessível a toda a gente, principalmente pela questão de segurança, pois é preciso ter alguns cuidados”, frisou. Os sabões são feitos “em casa” e da sua composição fazem parte “produtos essencialmente naturais”, como “óleos e essências”.

Entre estreantes, como Susana Assunção, e participantes habituais, a ideia de que a feira tem progredido parece ser defendida pela generalidade dos expositores. Sandra Barbosa é perentória: “Está a crescer e foi melhorada. Temos variedade de trabalhos”. Já Susana experimentou a iniciativa “por indicação de pessoas já conhecidas de outras feiras, que falaram do convívio e da oportunidade que era, por trazer muita gente e ser uma novidade”.

E se por um lado, a Feira de Natal é uma porta aberta para o negócio, por outro pode ser um passo para um ato altruísta. Foi em busca desse ato, que um grupo de jovens da paróquia de S. Mamede decidiu participar, com uma tômbola e produtos da Tanzânia, para angariar fundos para a viagem missionária àquele país. “Pusemos como objetivo o ano de 2015 e agora estamos à espera que o padre Casimiro, que é de S. Mamede e está na Tanzânia, venha cá para nos dizer o que podemos fazer”, explicou Luísa Maia, um dos elementos do grupo.

O cariz solidário também foi um dos aspetos impulsionadores desta iniciativa, relembrou José Ferreira, presidente da Junta de Freguesia do Coronado. “(A feira de Natal) foi a forma que encontramos para conseguirmos alguma verba financeira, roupa, alimentos e brinquedo, para apoiarmos as famílias da nossa freguesia”, afiançou, antes de confirmar o “balanço positivo” da atividade.

A agregação das freguesias fez com que a Feira ganhasse outras proporções, ao envolver também a comunidade de S. Romão, como as escolas que integraram o programa da animação cultural. “No próximo ano procuraremos fazer este evento em S. Romão, para que o processo de agregação também se note neste tipo de iniciativas”, asseverou.
Para além das escolas, também o grupo Danças e Cantares do Vale do Coronado atuou na festa, assim como o grupo Danças e Cantares do Centro Social de Soutelo.
A ADAPALNOR – Associação de Defesa do Ambiente e do Património do Litoral Norte – também participou no evento, ensinando a planear a construção de um jardim e a conversar com as plantas, dando a saborear flores comestíveis e explicando, “pela primeira vez na Trofa”, o que é a ictioterapia (tratamento com peixes que limpam as células mortas do corpo).

Rali dos patrocinadores é a próxima atividade

A Junta de Freguesia já está a preparar a próxima atividade para 26 de janeiro. Trata-se do “Rali dos Patrocinadores”, que vai possibilitar aos anunciantes experimentarem as máquinas que apoiam ao longo do campeonato nacional. No dia anterior, crianças e adultos poderão entrar no “Champimóvel”, da Fundação Champalimaud, que possibilita uma viagem ao interior do corpo humano.