Poderá estar resolvido dentro de cinco meses o problema dos maus odores provenientes das lagoas da empresa Savinor.

A construção do intercetor de Covelas começou esta quarta-feira e com esta obra, no valor de 392.010,54 euros, a empresa municipal Trofáguas vai instalar numa extensão de 7,5 quilómetros, entre a ponte sobre o rio Trofa na EN14 e a área envolvente à Savinor, esta infraestrutura há muito reclamada pela empresa. A empreitada vai ser executada em parceria entre a Empresa Municipal e a Savinor.

Luís Rebelo, presidente do conselho de administração da Trofáguas adiantou que com a construção deste intercetor, “temos a forte convicção de que a empreitada vai permitir o restabelecimento do tão desejado equilíbrio ambiental no concelho, em particular nas freguesias de S. Romão do Coronado e Covelas”.

O responsável da empresa adiantou ainda que “a Trofáguas continuará a sensibilizar os munícipes para o pedido de ligação ao coletor de saneamento, uma vez que se trata de uma ação muito importante para o meio ambiente e para melhorar a qualidade de vida da população trofense”. O presidente do conselho de administração lembrou “a existência de apoios sociais para as famílias carenciadas (devidamente comprovada), vai permitir aumentar ainda mais o número de pedidos de ligação em todo o concelho”.

Já para João Pedro Azevedo, presidente do conselho de Administração da Savinor esta “é sem dúvida nenhuma uma excelente notícia! Este é um investimento fundamental para darmos um grande passo decisivo na melhoria das condições de laboração da SAVINOR, sendo com profundo agrado que, e apesar dos atrasos alheios à nossa vontade, vemos esta obra a arrancar”. O responsável mostrou-se satisfeito pelo facto de esta empreitada contribuir para “ uma maior qualidade de vida da população abrangida por este equipamento.

Estamos perante um forte investimento privado, dado que este será financiado pela SAVINOR em mais de 80 por cento do seu custo, que irá responder a uma necessidade pública, como é o caso da supressão dos odores desagradáveis e a criação de saneamento público para algumas populações da região”.

João Pedro Azevedo realçou que “o intercetor permitirá ainda dar solução adequada às águas residuais domésticas produzidas pela população de S. Romão do Coronado e Covelas, que ainda não tem este equipamento à sua disposição, conferindo uma maior qualidade de vida para esta”.