Fátima Silva deixou a liderança da direção da ARJ Muro e “passou a pasta” a José Pedro Lima. Projeto é de “continuidade” e passa por garantir a participação das equipas de futsal federado e apostar na vertente cultural.

Depois de 14 anos e meio a liderar a Associação Recreativa Juventude (ARJ) do Muro, Fátima Silva decidiu “passar o testemunho”. O “cansaço” e o facto de estar integrada “em várias atividades” foram os motivos que levaram esta “mulher dos sete ofícios”a colocar um ponto final na sua participação como presidente da associação. Mas só como presidente, porque Fátima Silva faz questão de continuar ligada à coletividade, já que os “quase 30 anos de sócia” falam sempre mais alto quando pensa abrandar o ritmo. “Estes 15 anos foram quase metade da vida da associação e foram muito importantes para mim. Eu tenho o sangue da associação a correr-me nas veias”, frisou.

Fátima não esconde que já sente nostalgia por deixar a presidência da ARJ Muro e assemelha o sentimento que a invade com “o momento em que uma filha casa e temos que a deixar ir”.

O grupo que esteve na direção de Fátima Silva transita para a nova, agora liderada por José Pedro Lima. “Esta é também uma oportunidade de dar aos jovens a possibilidade de mostrarem o que valem. Sei que quem me vai suceder vai fazer coisas muito boas e eu também estarei num dos órgãos da associação”, referiu, agora como presidente da Assembleia-geral. Já Carlos Martins é o presidente do Conselho Fiscal.

Na hora de fazer o balanço do tempo que despendeu em prol da coletividade, Fátima não esqueceu a família: “Peço desculpa se lhes roubei alguns momentos, mas acho que valeu a pena estes anos de trabalho”.

A ligação de Fátima Silva à ARJ Muro como presidente ficará marcada por muitas conquistas, uma delas a participação da associação no campeonato federado de futsal na Associação de Futebol do Porto.

A continuidade das duas equipas, juniores e seniores, nesse campeonato é um dos primeiros passos do novo “homem do leme” murense. “A participação dos juniores já está assegurada, mas temos que trabalhar mais para garantir a dos seniores, pois é necessário um suporte económico bastante superior e, neste momento, ainda estamos a trabalhar para que seja possível a continuidade da equipa. Era uma pena abandonar agora que está na 1ª Divisão distrital”, afiançou.

José Pedro Lima não deixou de sublinhar que a coletividade “vai mudar de presidente, mas o grupo mantém-se”, pelo que o projeto “é de continuidade” e o objetivo é “fazer as coisas boas que se tem feito até agora”. “Vamos tentar delinear um projeto que seja de curto e médio prazo, que seja atrativo, para desenvolver projetos, não só de futsal, mas também na vertente cultural, que é uma das que vamos apostar no futuro”, concluiu.

Na Assembleia-geral, Fátima Silva foi homenageada pelos membros da direção, que lhe ofereceram um ramo de flores e um postal com dedicatórias.

{fcomment}