Treze é um número muitas vezes conotado com “azar”, mas a direção da Associação Recreativa de S. Pedro da Maganha espera que seja o contrário, uma vez que 13 anos após o nascimento da associação, vai ser inaugurada a sede. O momento mais esperado pelo presidente da coletividade, António Castro, e restantes diretores vai acontecer este domingo, 21 de junho, pelas 11 horas.
Em declarações ao NT, Castro apelou à participação da população no momento solene: “Esperamos contar com muita gente para conhecer o edifício por dentro e por fora”.
Este é um dos acontecimentos que marca o programa de festas de S. Pedro que, na Maganha, se celebra de 26 a 29 de junho.
A obra, que implicou um investimento “de mais de cem mil euros”, foi concluída depois de um processo “cheio de obstáculos e muitos dissabores”, afirmou António Castro. O projeto foi alvo de uma candidatura a fundos do Estado, que o comparticipou “a 30 por cento”, mediante o compromisso da direção de o concluir “no fim do primeiro semestre deste ano”. “Vamos inaugurá-lo nove dias antes”, atestou.
Apesar de conseguir colocar um ponto final nas obras, a associação não conseguiu reunir fundos próprios para custear a obra, pelo que teve de recorrer “a empréstimos junto de sócios, que se prontificaram a ajudar a coletividade”. São “cerca de 40 mil euros” que a coletividade terá de amealhar com atividades de angariação de fundos.
“Agradecemos a todos os que colaboraram e colaboram com a associação, quer ao nível de atividades quer ao nível de verbas para a obra”, assinalou.

“Duelo” interconcelhio nas marchas populares de S. Pedro da Maganha
A competição entre a marcha popular da Maganha e outra “de fora do concelho” vai marcar um dos pontos altos das festas de S. Pedro. António Castro não revelou a origem do grupo “forasteiro”, mas assegurou que a festa, essa, “será rija”.
Na Maganha, há dois grupos, infantis e adultos, que reúnem cerca de 70 elementos que estão a ensaiar há cerca de dois meses para dar uma boa imagem a todos aqueles que visitam a aldeia para verem o guarda-roupa, os arcos e as coreografias preparadas.
As marchas começam a atuação pelas 21 horas de 27 de junho, junto à Capela Nossa Senhora do Desterro, em Bairros, e daí seguem, em desfile, até junto da estátua de S. Pedro.
Uma das novidades do programa é a atuação de danças urbanas Moveloudance e uma mega aula de zumba, pelas 21 horas de 26 de junho, sexta-feira.
Na noitada de 27 de junho, o palco estará a cargo do conjunto bougadense “A Rapaziada”, que vai dar música antes e depois da atuação das marchas. O dia termina com uma sessão de fogo de artifício.
No dia seguinte, há uma missa solene em honra de S. Pedro, na capela de Nossa Senhora do Desterro, em Bairros, pelas 11 horas. Já pelas 19 horas, o folclore “toma conta” da festa com a atuação do Grupo Danças e Cantares de Santiago de Bougado e do Rancho das Lavradeiras da Trofa.
A 5 de julho realiza-se o já tradicional almoço-convívio, que encerra as festividades.