Foi com uma missa solene com adoração e consagração ao Sagrado Coração de Jesus, que a Paróquia de Santiago de Bougado encerrou o Tríduo do Sagrado Coração de Jesus, que contou com a celebração de missas, adoração, pregação e formação com o padre Manuel Morujão, jesuíta e ex-secretário da Conferência Episcopal Portuguesa.
Manuel Morujão afirmou que teve “muito gosto em falar aos cristãos de Santiago de Bougado”, que, na sua opinião, “não estavam por estar, mas com grande atenção e acolhimento da palavra de Deus”. “Há aqui uma comunidade viva, muito mais que as pedras belíssimas deste tempo da talha barroca e de uma obra de arte. A fé não tira as pessoas da vida real, mas deve ser um compromisso e uma mais-valia para se comprometerem com a família, com o trabalho, com a paróquia e com a sociedade em que estão inseridos”, denotou.
O padre jesuíta referiu que a festa do Sagrado Coração de Jesus tem “uma atualidade grandíssima”, porque “todos precisamos do oxigénio e do amor”. “O culto e a veneração do Coração de Jesus é a transmissão, a nível de imagem humana, do amor infinito que Deus nos tem e que, sem ele, não podemos viver. Por isso, venerar o coração de Jesus é responsabilizar-se por um mundo melhor, por uma paróquia melhor e por famílias melhores”, referiu.

Mensagem aos paroquianos de Santiago
“Conservem e deem ânimo generoso à fé que têm, que é um tesouro precioso. A fé em Jesus Cristo não é um código de leis pesadas que temos que aguentar para ver se chegamos ao céu. O Evangelho é uma alegre notícia, a dizer que temos um Deus que nos quer salvar. Todos os que não puderam vir são bem-vindos, a igreja não faz seleção dos bons contra os maus, mas abre o coração a todos”.