contrato-eficiencia-energetica-8

“Quarenta e um por cento” é a percentagem que a empresa municipal TrofaPark prevê reduzir em gastos energéticos na Academia Municipal (Aquaplace), com os novos equipamentos que serão colocados ao abrigo de uma candidatura apresentada pela autarquia ao Programa Operacional Regional do Norte, em 2010.

Sérgio Humberto, presidente da Câmara e do conselho de administração da TrofaPark, e Emídio Gomes, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), assinaram o contrato da candidatura de eficiência energética, apresentada em 2010 durante o mandato de Joana Lima, que envolve um valor global de “316 mil euros, com um “investimento elegível de 257 mil euros”, dos quais “180 mil são comparticipados pelo FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional).

Depois da assinatura, o presidente da autarquia evidenciou que este investimento “já devia ter acontecido há algum tempo”, uma vez que “a academia apresenta custos elevados de energia”. Sérgio Humberto afirmou que, em gás, o equipamento gasta “cerca de oito mil euros por mês” e que “os painéis nunca produziram energia e ficaram inutilizados”, enquanto “a caldeira de pellets só funcionou na primeira semana”.

As obras previstas incluem a instalação de “60 painéis solares” e “caldeira de pellets de biomassa”, para “aquecimento das duas piscinas e águas sanitárias”, instalação de “telas térmicas” nas piscinas para “retenção do calor da água durante os períodos de não utilização, otimização dos fluxos de águas sanitárias e rega e ainda a instalação de sistema centralizado de controlo de temperatura”.

Esta candidatura, apresentada em 2010, é uma oportunidade para que a infraestrutura “tenha rentabilidade” e continue a “ter um papel social junto da comunidade”.

 “Esta academia não é para dar lucro, mas também não é para dar prejuízo, o objetivo é equilibrar os custos”, evidenciou o autarca, que lembrou que em 2013, o Aquaplace “apresentou um prejuízo de 440 mil euros”. “Sabemos que a maior parte das piscinas são buraco sem fundo para os municípios. Por acaso, e bem, a infraestrutura a nível de projeto foi bem pensada, porque tem o pé direito não tão alto como deveria ter e tem outro tipo de condições que nos possibilita pensar no futuro, com investimentos que possibilitem não ter prejuízos tão avultados”, salientou.

As intervenções já estão a decorrer na Academia e, segundo o administrador da TrofaPark, a expectativa é para que “terminem ainda durante o mês de agosto” para que “boa parte da eficiência energética esteja em funcionamento na reabertura do Aquaplace”. Paulo Amaral sublinhou ainda “a redução assinalável da pegada ambiental”.

Sérgio Humberto informou ainda que estão a ser feitos outros investimentos, nomeadamente com “a aquisição de bicicletas de cycling, substituição da sauna, banho turco e renovação do espaço exterior”.

Emídio Gomes, presidente da CCDR-N, felicitou a autarquia pela preocupação de garantir “a sustentabilidade futura das valências do concelho”. “O município tem conseguido concretizar investimentos que estavam em curso, modernizar infraestruturas e equipamentos e, em simultâneo, fazer um fortíssimo esforço com a reorganização das finanças municipais”, frisou.