Câmara Municipal da Trofa assinalou na sexta-feira, 28 de junho, o centenário do nascimento de Álvaro Cunhal, com a apresentação do quarto fascículo de “Obras Escolhidas” do fundador do Partido Comunista Português (PCP).

“Uma personalidade com múltiplas facetas de artista, da teórica, da literatura e das artes”. É assim que Álvaro Cunhal é visto por Francisco Melo, diretor da Editorial Avante e “organizador, prefaciador e anotador” das suas obras.

No âmbito das comemorações do centenário do nascimento de Álvaro Cunhal, Francisco Melo deslocou-se até à Casa da Cultura da Trofa para apresentar o quarto volume de “Obras Escolhidas” do fundador do PCP, publicado recentemente.

Este livro é composto por um conjunto de textos entre os anos de “1967 e 1974”, período que compreende o “fascismo”. “Este livro é extraordinariamente importante, porque abrange o período da transição do salazarismo para o marcelismo, quando, em setembro de 1968, Marcelo Caetano salva o poder”, declarou.

Sendo o marcelismo considerado uma época de “grandes polémicas por parte dos historiadores”, o quarto volume, que reúne “textos fundamentais desse período”, é “uma contribuição para essas discussões históricas” sobre “o que foi e o que representou o marcelismo”. “As diversas forças políticas tomaram posições muito diferentes em relação ao Governo de Marcelo Caetano. É uma altura de intensa luta ideológica e de grande desenvolvimento da luta de massas, que culminou com o 25 de Abril. O livro é fundamental para perceber os antecedentes que levaram ao 25 de Abril”, explicou.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF.