Dois mil e doze ficará conhecido como o Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações.

O principal objetivo é fazer com que as pessoas reflitam sobre o facto de os europeus viverem durante mais tempo e com mais saúde, podendo aproveitar as oportunidades oferecidas.

Muitas são as pessoas que encaram o envelhecimento como uma ameaça, um encargo para a população mais jovem e não como algo positivo. Mas hoje em dia, envelhece-se com melhor saúde do que as gerações anteriores. E os idosos têm experiência e conhecimentos preciosos, que os mais jovens podem aproveitar. Manter-se ativo à medida que se avança na idade é fundamental para enfrentar o desafio do envelhecimento. E é por essa razão que a União Europeia (UE) escolheu 2012 para o Ano Europeu do Envelhecimento Ativo. Serão várias as atividades criadas para que se possa sensibilizar, difundir as boas práticas e incentivar os responsáveis políticos, e partes interessadas, a facilitar o envelhecimento ativo.

O desafio direcionado aos políticos, e a quem se interessa por estas questões será melhorar as oportunidades do envelhecimento ativo em geral e de levar uma vida autónoma, intervindo em áreas tão diversas como o emprego, os cuidados de saúde, os serviços sociais, a educação de adultos, o voluntariado, a habitação, a informática e os transportes.

O Ano Europeu pretende sensibilizar para estas questões e acima de tudo procura incentivar os responsáveis a estabelecerem objetivos e a tomar medidas para os alcançar. A UE já adotou medidas para motivar o envelhecimento ativo no emprego, educação de adultos, saúde e sociedade da informação. E graças ao Ano Europeu, estes esforços terão uma maior visibilidade.

O envelhecimento ativo significa dar às pessoas idosas a possibilidade de participarem plenamente na sociedade, permitindo que os adultos mais velhos contribuam ativamente através do voluntariado, por exemplo, como prestadores de cuidados a familiares. Além disso, permite ainda que as pessoas idosas vivam autonomamente graças à adaptação das habitações, das infraestruturas, das tecnologias da informação e dos transportes.

E isto trará várias oportunidades aos idosos, desde permanecerem no mercado de trabalho e partilharem a sua experiência, continuarem a desempenhar um papel ativo na sociedade e viverem uma vida o mais saudável e gratificante possível.

Isto será uma forma de manter a solidariedade intergeracional em sociedades em que o número de pessoas idosas aumenta rapidamente.

As 40 organizações europeias, que constituem a associação do Ano Europeu 2012, veem esta temática como uma boa oportunidade para abordar a discriminação, baseada na idade, e para conseguir uma situação mais justa e sustentável para as pessoas de todas as idades. Também ajudará os seniores a manterem-se em boa saúde física e mental e a participarem mais ativamente no mercado do trabalho e nas suas comunidades.

À semelhança da rubrica do ano transato, sobre o Ano Europeu do Voluntariado, também durante este ano o NT dará a conhecer pessoas idosas com uma vida bastante ativa. Se este é o seu caso, ou se conhece alguém que encaixe neste perfil, não hesite em contactar o jornal através do email jornal@onoticiasdatrofa.pt.

{fcomment}