"Leandro" foi o nome dado ao misterioso animal, que desde quinta-feira tem destruído culturas e marcado, com as suas garras afiadas, as árvores das zonas de S. Romão do Coronado e Maia. Ninguém o vê, mas pelas marcas deixadas despoletaram o alvoroço por entre a população, que tenta, até agora sem sucesso, decifrar o mistério.

 Leão, lince ou urso foram as hipóteses colocadas pelas pessoas, mas a verdade é que ainda nada de concreto se pode afirmar acerca do animal.

A GNR da Trofa foi chamada na passada segunda-feira ao lugar de Gondão, na Freguesia de S.Romão do Coronado pelo proprietário de uma casa que jura ter "estado um animal deitado na palha e que as culturas estão pisadas", frisou.

Esta terça-feira as patas surgiram bem marcadas num terreno situado no lugar de Leandro, em S. Pedro de Fins, Maia, local onde apareceram as primeiras impressões.

Dois caçadores estiveram à procura do animal e afirmaram que se tratava de um felino. As marcas deixadas por "Leandro" levantaram a hipótese de se tratar de um leão, mas pela profundidade das impressões, tratar-se-á de um animal de porte razoável, com cerca de 90 quilogramas. Um lince parecia reunir consenso, mas estes animais estão localizados nas Astúrias, a uma distância de 400 quilómetros. Há também, quem defenda que o animal poderá ser um urso, mas não passa tudo de especulações, já que o misterioso prefere actuar de noite e esquivar-se durante o dia.

O SEPNA, Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente, colocou uma armadilha com carne ensanguentada, esta quarta-feira, para atrair o animal. Entretanto, foram recolhidos também alguns pêlos encontrados num eucaliptal, para desfazer todo o mistério que tem intrigado as populações do concelho trofense e maiato.

Os primeiros ecos sobre o animal indicavam que este poderia estar associado a um circo, que esteve montado, há cerca de um mês, num terreno, em S. Romão do Coronado, mas as autoridades nada conseguiram apurar.

Também o Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade e o director do Zoo da Maia se pronunciaram sobre o assunto, alegando que o animal não se trata de um felino, mas sim de um cão, de um gato bravo ou javali.

As buscas para encontrar "Leandro" iniciaram no sábado à noite e prosseguiram até domingo, sem que nada tenha sido detectado pelos elementos da Protecção Civil da Maia e da GNR, senão as marcas.