Sílvia Cruz foi a mentora do projeto que uniu os Alvadance, Dança Criativa do Colégio da Trofa e Move Your Soul num grande espetáculo de verão, que reuniu cerca de 80 bailarinos.

A freguesia de Alvarelhos tem sido contagiada pela dança e quis mostrar o que se tem feito nessa arte. Sílvia Cruz e os Alvadance, coreógrafa e alunos do Alvafitness Club, lançaram-se na aventura de organizar um espetáculo de dança, no dia 23 de julho, para apresentar aos familiares o trabalho desenvolvido ao longo de um ano de treinos.

Cerca de 80 bailarinos dos Alvadance, Dança Criativa do Colégio da Trofa e Move Your Soul encheram o pavilhão desportivo de S. Romão do Coronado com as suas coreografias, que passaram por ballet, cabaret, broadway, hip hop, dança do ventre e danças tribais. “Quisemos apresentar o trabalho que temos desenvolvido em vários estilos de dança. Este projeto é um pontapé de saída para o verão, uma época em que, geralmente, atuamos com mais frequência e também uma forma de agradecer aos familiares todo o apoio que dão aos nossos bailarinos e aos grupos”, referiu Sílvia Cruz.

As danças não foram as únicas atrações da noite, já que o evento contou também com fado e música portuguesa das cantoras Susana e Filipa e ainda com o rap de Mc Pena.

Em jeito de balanço, Sílvia Cruz referiu que “o espetáculo correu muito bem e os alunos ficaram muito satisfeitos com o resultado final”. “São muito dedicados e apesar do meu nervosismo eles apoiaram-me muito para que tudo corresse bem. Tivemos um problema no sistema de som, mas o público foi muito compreensivo e continuou a cantar e a bater palmas, incentivando os bailarinos a continuarem apesar de a música falhar. Realmente um público como este é uma motivação para continuar, mesmo em momentos mais complicados, como os que infelizmente aconteceram nalgumas músicas”, frisou.

No espetáculo em que a coreógrafa dançou vários temas com os alunos, como forma de aumentar o elo de ligação e cumplicidade entre o grupo, as expectativas em relação à adesão foram superadas, com 350 familiares. “Esperávamos muita gente, porque os familiares sempre acompanharam os nossos bailarinos, mas realmente ficamos muito satisfeitos com tanta assistência. Eles são um importante alicerce”, concluiu.

Diana Azevedo {fcomment}