mega-atleta 

A presença do atleta olímpico Luís Sá foi um dos aperitivos do “Mega Atleta”, actividade promovida pela turma do Curso Tecnológico de Desporto da Escola Secundária da Trofa. O credenciado atleta de 110 metros barreiras e antigo aluno da escola aceitou o convite de relembrar os tempos de escola e rever antigos professores que o fizeram dar os primeiros passos para uma grande carreira.

Para Luís Sá “foi muito bom” voltar à escola onde estudou, enquanto trofense natural de S. Romão do Coronado. Depois de atingir os Jogos Olímpicos, o atleta faz “um balanço positivo” da carreira, face à possibilidade de “conciliar o desporto com os estudos”. É, por isso, um bom exemplo para os alunos da Secundária: “Continuei a estudar e agora estou a acabar o meu curso. Todos os miúdos deviam praticar desporto e estudar, pois se tivermos força de vontade conseguimos fazer desporto seja ele qual for”, assegura.

A adesão foi “boa”, referem os professores envolvidos na realização da prova. Maria José Neves lamentou as ausências de alguns alunos, mas José Magalhães garante que “houve boa correspondência, tanto em rapazes como em raparigas, mais novos e mais velhos”.

Convidado a recuar no tempo e a fazer uma análise da adesão dos alunos a iniciativas desportivas, José Magalhães afirmou que os jovens “estão mais próximos”. “Aqui na Trofa têm surgido muitos valores, o Luís (Sá) estava exactamente a falar de outros que, com ele, começaram aqui a actividade do desporto e o quão óptimo tem sido na vida deles. O desporto é uma escola de virtudes e tem sido fantástico aquilo que os alunos têm levado aqui da escola a esse nível”, considerou.

Na iniciativa estiveram em prova alunos em três modalidades: megasprint (40 metros), megaquilómetro e salto em comprimento. Luís Martins, também docente e elemento da organização, fez um balanço positivo da actividade: “Não só tem aumentado o número de alunos a participar nas provas, como esta é uma prova em que existe primeiro uma selecção dentro de todas as turmas, abrangendo, portanto, todos os alunos. Depois estão em prova os dois melhores alunos de cada turma por escalão e sexo”.

Os alunos que subiram ao pódio ficaram apurados para a prova a nível regional, onde vão competir com outros jovens de outras escolas do distrito. “E quem sabe se não conseguirão representar a escola a nível nacional”, sublinhou Luís Martins.

Foi uma experiência diferente”

Bruno Ferreira é aluno do Curso Tecnológico de Desporto e estava satisfeito com o desenrolar da prova. Para ele, assim como para os colegas, “foi uma experiência diferente”. “Organizar uma iniciativa destas requer um trabalho muito grande, não só no dia principal, como também nos outros em que temos que preparar tudo ao pormenor para que nada falhe”, afirmou.

Apesar do nervosismo inicial, a equipa de alunos e professores conseguiu garantir o sucesso da prova que, segundo Bruno Ferreira, “superou o número de inscrições de provas anteriores”. Para ele, este “é o resultado de uma boa propaganda e de um bom trabalho de equipa”.