Alunos do 9º ano da Escola Secundária da Trofa comemoraram fim do Ensino Básico com um jantar e um baile. Oitenta jovens vestiram-se a rigor para assinalar a data.

Fato, gravata e sapatos para eles, vestido de gala, salto alto, cabelo arranjado, acessórios e maquilhagem para elas. No baile de finalistas dos alunos do 9º ano da Escola Secundária da Trofa, todos se vestiram a rigor. Afinal era um momento muito especial para os 80 jovens que completam este ano o 3º ciclo do Ensino Básico. Depois de um ano de muito trabalho, os alunos juntaram-se na Quinta Zé Emílio, em Santiago de Bougado, na noite de 8 de junho, para momentos de descontração e brincadeira.

Mafalda Diogo é uma das alunas que participou na festa e classificou os “últimos cinco anos” da sua vida como “muito marcantes”. “Para além de conhecer novas pessoas, entre amigos, professores e todo o corpo escolar, a mim marcaram-me muito, porque abriram os meus horizontes e formaram a pessoa que eu sou e a minha personalidade”, explicou. A colega Adriana Costa concordou: “Estes anos foram espetaculares”. “O nosso conhecimento aumentou, mas também conhecemos novas pessoas, o que foi muito importante para o nosso crescimento enquanto pessoas”, acrescentou.

No entanto, a conclusão do 9º ano pode significar também o fim de algumas amizades. Os jovem estão “juntos há muito tempo”, por isso, “a amizade é muito forte” e a separação antevê-se “difícil”. As jovens preferem pensar que “se as amizades forem realmente verdadeiras permanecerão para todo o sempre”.

 

A noite foi também de homenagem aos docentes que acompanharam o crescimento e a aprendizagem dos alunos da Escola Secundária da Trofa. “Além de serem nossos professores e de nos ajudarem a alcançar os nossos objetivos, são nossos amigos e estes últimos anos foram muito gratificantes”, assegurou Adriana. Já Mafalda garantiu que os docentes os ensinaram “a viver em sociedade” e formaram-nos “enquanto pessoas”.

Também para os 24 docentes que marcaram presença no jantar, este foi um encontro diferente: “Significa o fim de um ciclo, a partilha de experiências, a fraternidade entre eles e, principalmente, a amizade que os une”, atestou a professora Lúcia Torres.

Este jantar é já uma “tradição” na Escola Secundária. Começou há “quatro anos”, nas instalações da escola com o envolvimento dos alunos na organização. No entanto, este ano, o estabelecimento de ensino está em obras e “não havia condições”, por isso, os responsáveis decidiram, “pela primeira vez”, deslocalizar a festa.

A direção da escola também se juntou à festa que a diretora-adjunta, Alda Reis, classificou como “muito importante para os alunos”. “Além do convívio entre eles e os professores que os acompanharam, é uma forma de relembrar do percurso feito no 3º Ciclo. A escola vê isto como um passo importante, porque a maior parte dos alunos vão permanecer no estabelecimento, apenas dividindo-se entre várias turmas”, assegurou.

Quase a terminar o ano, os professores deixaram uma mensagem já a pensar no futuro: “Eu gostava que este tipo de amizade e convívio se mantivesse pela vida fora, até porque, provavelmente, vão encontrar-se ao longo da vida”. Lúcia Torres quer, ainda, que os jovens “mantenham o espírito de camaradagem”, que prevaleceu durante toda aquela noite.

Também os alunos já pensam na próxima fase das suas vidas. Enquanto uns esperaram “ter 20 a tudo”, outros só querem que “corra tudo bem”. Mafalda Diogo quer seguir Línguas e Humanidades, mas vai conciliar os estudos com outro projeto importante na sua vida: “O ballet”. A colega Adriana Costa tem como objetivo estudar Ciências e Tecnologias para, mais tarde, ingressar na universidade em “Química ou Ciências Farmacêuticas”.

Mas enquanto esse futuro não chega, os jovens aproveitaram o baile e divertiram-se durante o jantar de finalistas, guardando cada momento na memória.

{fcomment}