Cerca de 700 pais e familiares aderiram ao percurso artístico promovido pela Escola EB 2/3 de Alvarelhos. Todas as turmas da escola incorporaram diferentes profissões numa organização do departamento de expressões.

O rebuliço natural da Escola EB 2/3 de Alvarelhos desta vez tinha uma expressão diferente. Aquele nervoso miudinho invadia os alunos e denunciava a chegada da hora deles proporcionarem aos pais e familiares uma verdadeira “viagem ao mundo das profissões”.

Um microfone gigante, uma câmara de filmar também fora das medidas normais, assim como todo o material de maquilhagem, pintaram o cenário televisivo que serviu de partida para a viagem, que teve como outros pontos de interesse uma paragem pelo mundo artístico da pintura, com guarda-chuvas criativamente pintados, passando pela “passerelle” onde desfilaram figuras ilustres do cinema como Beatriz Costa, Charles Chaplin, Indiana Jones, Marilyn Monroe ou Harry Potter. Também não faltaram os bombeiros, os construtores civis, os médicos, os agricultores e a professora.

E foi com profissionalismo que os mais pequenos encarnaram as suas “ocupações profissionais”. Que o diga Vítor Rodrigues, jornalista televisivo que queria “superar a TrofaTv”, apesar de saber que “é difícil ter esta profissão”.

Arquitecta também não é a profissão que Rita Gomes pretende seguir no futuro, mas foi a que esta aluna representou no percurso artístico, o maior evento organizado pela escola durante todo o ano lectivo, que juntou centenas de encarregados de educação e familiares.

percurso-artistico-eb-alvar

E se os alunos estavam entusiasmados com a oportunidade de mostrar aptidão para a representação, também os pais se mostraram satisfeitos com o trabalho desenvolvido pelo departamento de expressões da escola, que contou com a colaboração de todos os docentes. A organização “não tinha nada a apontar”, segundo Conceição Pires, que louvou a iniciativa e o “muito trabalho dos professores”.

Isabel Oliveira era outra mãe satisfeita por ver que os alunos podem estar “entretidos” de uma forma que também “contribui para a aprendizagem deles”.

Estas duas mães eram uma ínfima parte de todos aqueles que disseram “sim” à iniciativa organizada pelo estabelecimento de ensino. Segundo dados fornecidos pela escola, foram cerca de 700 as pessoas que quiseram ver a “performance” dos mais pequenos e dar mais sentido a todo o trabalho desenvolvido pelo corpo docente que já tinha sido obrigado a adiar esta comemoração do Dia do Trabalhador para a semana seguinte, devido ao mau tempo.

Mas desta vez o tempo ajudou. “E ainda bem”, dizia a coordenadora do departamento de expressões, Ana Isabel Correia, porque com mais um adiamento “iam ficar todos muito desmotivados”.

A responsável viveu de perto a ansiedade dos mais pequenos que, no final, foi premiada com a presença maciça dos pais. “Houve muita colaboração da parte dos pais e foi muito bom eles perceberem que vir à escola não é só na altura das avaliações”, afirmou. Apesar de ser um trabalho desenvolvido pelo departamento de expressões, “todos os professores mostraram-se muito receptivos e colaborantes”, assegurou Ana Isabel Correia.

Sempre acompanhado pelos presidentes das Juntas de Freguesia de Alvarelhos e Guidões, Joaquim Oliveira e Bernardino Maia, e pelo presidente da Câmara, Bernardino Vasconcelos, Renato Carneiro, presidente do conselho executivo do estabelecimento, também estava satisfeito com a adesão à iniciativa, que é a que maior impacto tem junto dos pais durante o ano lectivo.

“É importante este trabalho para os miúdos também mostrarem aos pais o que eles fazem na escola e também para os pais valorizarem o trabalho da escola”, afirmou.

“Mobilização dos pais representa o que é a escola”

Bernardino Vasconcelos despediu-se da escola “muito satisfeito”. Não só pela iniciativa organizada pelos alunos que “interiorizaram a mensagem da importância das profissões”, mas também pela “mobilização dos pais”. “Quando a escola consegue atrair à sua área física os pais e a família, isso por si só diz tudo. Representa tudo o que é a própria escola e como ela trabalha”, referiu.

E, no final de contas, esta é a essência da escola. “Estão aqui para se formarem e se qualificarem o melhor possível para enfrentar a vida numa determinada profissão e todas elas são dignas como ouvi dizer há pouco por um aluno”, concluiu.