A AEBA assinalou o 13º aniversário com a apresentação do projeto “Building Global”, que incentiva as empresas à internacionalização. Foi ainda assinado um protocolo de parceria com o Banco Bic e homenageadas as empresas associadas há uma década e as detentoras do prémio PME Excelência.

 “Há 13 anos a construir a ponte para o futuro”. Este é o lema da Associação Empresarial do Baixo Ave (AEBA), que este ano assinalou mais um aniversário com a apresentação de um novo projeto que promete alavancar as Pequenas e Médias Empresas: “Building Global”.

Este sistema de incentivo apoia a promoção internacional das empresas, orientando o produto interno para a procura externa, através de ações de formação, aumento do volume de negócio das empresas no exterior e aumento da competitividade em mercados como a Colômbia, Perú, México, Brasil, Moçambique e Gana. Segundo a AEBA, as vantagens do projeto passam pela participação em conjunto, que facilita o acesso aos mercados e à prospeção internacional. “Consideramos que a internacionalização tem de ser hoje encarada como uma saída para a crise, como uma estratégia para o que se vê das empresas. As exportações têm de atuar como o motor do desenvolvimento da economia, pelo que é necessário que as empresas estejam com uma atitude cada vez mais global e que trabalhem pela sua competitividade”, afirmou Manuel Pontes, presidente da AEBA.

A internacionalização também é para Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa, um fator “importante para o futuro do País e para a criação de riqueza na nossa região”. “Este é um desafio que os empresários portugueses têm de enfrentar com muita determinação, porque o aumento das exportações e internacionalização são a melhor forma de Portugal sair desta grande crise”, sublinhou.

Para falar da internacionalização, a AEBA convidou representantes de três nomes grandes da indústria da região: Paulo Sousa, do Grupo Proef, Filipe Vila Nova, do Grupo Irmãos Vila Nova (detentor da marca Salsa) e Luís Liz, do grupo Frezite.

Para além da apresentação deste projeto, a sessão de comemoração do 13º aniversário da associação, que decorreu na segunda-feira, contou ainda com a homenagem às empresas associadas há uma década e às que obtiveram o prémio de PME Excelência.

Em jeito de balanço da atividade da AEBA, Manuel Pontes apresentou alguns números, anunciando que ao longo de 13 anos “foram apoiadas 817 empresas” e está a ser feita consultoria “em mais de 300 empresas, num total de 31 mil horas”. Ao nível da formação, foram emitidos “mais de 7700 certificados”, realizadas “800 ações de formação, cumprindo mais de 950 mil horas”. “Certificamos competências de 2600 pessoas, ao nível do 4º, 6º, 9º e 10º ano”, complementou.

Manuel Pontes afirmou que os resultados da AEBA “ultrapassam, de longe, as previsões feitas há 13 anos”, aquando da sua criação, muito por causa “de muito trabalho e de bons colaboradores”.

Joana Lima considera que “a AEBA soube atuar em defesa dos seus associados e dos empresários em geral, conjugando esforços para manter a união da classe empresarial e comercial, tentando eliminar barreiras, as quais algumas subsistem, e apostar no êxito das ações que vem dinamizando”.

Na cerimónia, a AEBA assinou ainda um protocolo de parceria com o Banco Bic, que mostrou “vontade” de “apoiar as iniciativas” das empresas associadas, sejam “projetos de expansão, de mobilização ou, simplesmente, para apoiar a tesouraria”.