Adalberto Maia vai ser presidente do Atlético Clube Bougadense por um ano e dois meses. O homem, que foi braço direito do último presidente e que encabeçou a Comissão Administrativa, resolveu apresentar uma lista na passada semana, que foi aceite pelos sócios bougadenses que voltaram a encher a reunião, realizada na passada sexta-feira.

O Atlético Clube Bougadense já tem direcção. Adalberto Maia tomou posse no mesmo dia em que viu a sua lista ser votada favoravelmente na terceira Assembleia-geral organizada depois da saída de José Olgário, no final do ano passado. O homem, que foi braço direito do último presidente do emblema de Santiago de Bougado e que encabeçou a Comissão Administrativa que tomou conta do clube depois deste se ter afundado numa crise directiva, resolveu apresentar uma lista na passada semana, que foi aceite pelos sócios bougadenses que voltaram a encher a reunião, realizada na passada sexta-feira.

Juntamente com Adalberto Maia, António Pontes continua a exercer a sua função de presidente da mesa da Assembleia-geral e Fernando Reis volta a assumir o comando do Conselho Fiscal. Esta nova direcção vai gerir os destinos do clube por um ano e dois meses, altura em que haverão eleições para eleger novos órgãos sociais.

"É a conclusão de um período conturbado na vida do Bougadense". Satisfeito com o desfecho da terceira assembleia-geral, António Pontes sublinhou que "imperou o bom senso" numa reunião em que "os sócios se esforçaram para a chegar a uma tomada de posição na questão relativa às contas do clube". Mesmo com um passivo de 161.595 euros, o Bougadense, segundo o presidente da mesa da assembleia-geral, "tem obra feita e nos último anos deu um salto qualitativo muito grande, no que respeita às infraestruturas". No entanto, para resolver os problemas financeiros precisa da "ajuda de todos, não só de instituições e pessoas da freguesia, como de todo o concelho", acrescentando que clube "não pode depender apenas de organismos públicos". No entanto António Pontes, também vice-presidente da Câmara Municipal da Trofa, garantiu que a "autarquia, dentro das suas limitações, vai continuar a ajudar o Bougadense. A autarquia foi o principal suporte em termos de apoio para que o investimento fosse realizado e como é óbvio não vai fugir à sua responsabilidade e procurará ajudar o clube de uma forma permanente".

Por seu lado, Adalberto Maia assegurou que a nova direcção "vai começar a exercer funções com tranquilidade, no sentido de resolver todos os problemas que assolaram o clube". O novo presidente considera que "dentro de 3 meses teremos muitos dos problemas financeiros resolvidos" e sublinha que a preocupação maior é a "manutenção da equipa sénior na Divisão de Honra da Associação de Futebol do Porto".

Adalberto Maia referiu que já tem um plano "quase definido" para resolver a questão da dívida com alguns fornecedores, contando com "a ajuda da Câmara Municipal e de alguns particulares" assim como já negociou condições de pagamento de outro débito, "que já vem do ano de 2003 no Hospital da Trofa".

 

Renato Pontes acredita que resolução da crise poderá ajudar equipa

No final da partida com o Senhora da Hora, no domingo, com quem empatou a uma bola, o treinador afirmou à imprensa que não tem dúvidas que a eleição da nova direcção só vem ajudar a equipa: "Não foi por acaso que a já houve esta atitude positiva da equipa. Ela precisa é de pessoas à volta dela, que a apoie e que se preocupe com o seu futuro. Os dados estão lançados para que o Bougadense consiga sair da zona em que está, porque não é este o valor da equipa. Não tenho a melhor equipa nem os melhores jogadores da Divisão de Honra, mas tenho gente com qualidade, com grande dedicação e que vai fazer de tudo para se manter na Divisão de Honra", concluiu o técnico.