A entrada em vigor do novo acordo ortográfico tem causado alguma polémica mas este ano letivo os alunos já vão aprender a escrever com as novas regras.

Datava o ano de 1911 quando se deu a primeira reforma ortográfica portuguesa. Seguiram-se algumas tentativas de aproximação ortográfica entre Portugal e Brasil. Em 1986, foi negociado um acordo ortográfico entre os dois países, aprovado em 1990. Criar uma ortografia unificada a ser usada por todos os países de língua oficial portuguesa é o objetivo deste acordo ortográfico que entrou em vigor em 2009.

As principais mudanças ortográficas passam pela supressão de consoantes mudas, reformulação do uso do hífen, introdução de novas letras no alfabeto (k, w e y), eliminação de alguns acentos gráficos ou alteração no emprego de iniciais maiúsculas.

Para aqueles que em tempos aprenderam a escrever com as regras do antigo acordo ortográfico, esta será uma tarefa difícil: “reaprenderem” a escrever o português. Para aqueles que vão pela primeira vez para a escola, será uma tarefa fácil, pois os novos livros escolares já vêm escritos com o novo acordo ortográfico.

Se ainda não está a par das mudanças do novo acordo ortográfico, ficam aqui alguns exemplos para se ir habituando a escrever com o “novo português”: letivo, minissaia, cor de rosa, ótimo ou Egito.

A partir de 1 de janeiro de 2012, todos os serviços, organismos e entidades do Governo, bem como as publicações do Diário da República, terão a sua grafia adaptada.

 

 

 

{fcomment}