quant
Fique ligado

Edição 671

ACDC representada no Grande Prémio JN

Publicado

em

Com 18 anos, José Vieira foi o ciclista mais novo do pelotão a terminar o 28.º Grande Prémio de Ciclismo do Jornal de Notícias. O corredor foi o único resistente da equipa ACDC Trofa/CD Trofense na prova que decorreu de 28 de maio a 3 de junho.
José Vieira terminou no lugar 50 de entre 64 ciclistas, a 57 minutos e 40 segundos do vencedor, António Carvalho, da W52 / FC PORTO. “O Zé Nuno é o atleta mais novo do pelotão nacional, mas ainda com pouca idade já conta a proeza de completar uma das principais provas do calendário nacional de estrada e, provavelmente, a mais dura a seguir à Volta a Portugal elite.
A verdade é que este menino tem um enorme potencial e vai mostrando isso pouco a pouco”, referiu fonte da equipa.
À partida, a ACDC Trofa/CD Trofense, que tem como diretor José Martins, tinha sete corredores inscritos na prova: Gonçalo Amado, Adelino Silva, Sancho Cruz, Ivo Pinheiro, Javier Hernandez, José Vieira e Pedro Braga. À exceção de José Vieira, os outros corredores da equipa trofense desistiram devido a inúmeras quedas registadas no quarto dia de prova, devido à chuva.

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 671

Guidões em festa a 23 e 24 de junho

Publicado

em

Por

Já começou a contagem decrescente para as festas de S. João de Guidões. O programa festivo já circula pela freguesia e a comissão de festas está num reboliço para que nada falhe no fim de semana de 23 e 24 de junho. Cristina Santos aceitou liderar a comissão na sequência de um desafio lançado por “outra festeira”. “Começamos os preparativos em outubro, com os peditórios porta a porta e angariação de patrocinadores. O tempo é que não nos ajudou na organização de eventos durante o ano para angariação de fundos”, afirmou ao NT Cristina Santos.
As condições meteorológicas influenciaram a preparação de uma festa que a festeira esperava “maior”, no entanto a “grande generosidade” da população garantiu um programa festivo que orgulha a comissão. Segundo Cristina Santos, o orçamento da festa “ronda os 20 mil euros”.
O ponto alto do programa é a noite de sábado, 23 de junho, com a atuação da marcha do lugar de Vilar, a partir das 21.30 horas. Inicialmente, estava prevista a presença de outra marcha que, entretanto, não se conseguiu organizar atempadamente para se apresentar ao público.
Após a marcha, entra em palco o cabeça de cartaz, Jorge Loureiro, que promete animar o público com as suas músicas minhotas.
Mas a festa começa bem cedo, com o levantamento dos mastros pelos mordomos, numa tradição antiga que se cumpre às 8 horas de sábado. Segue-se a entrada dos bombos para anunciar as festas à freguesia.
Às 17 horas, outra tradição se respeita, com a entrada dos cestos. Três horas depois, é aberta a cascata de S. João.
À noite, após a música, o céu ilumina-se com o fogo de artifício, previsto para a meia-noite.
No dia seguinte, cumpre-se a missa em honra de S. João, às 8 horas, e a missa solene às 11 horas. A tarde será animada pelo Rancho Folclórico do Divino Espírito Santo, de S. Mamede do Coronado, que atuará até cerca das 17 horas, momento previsto para o início da procissão. Depois, entra em palco o Rancho de S. Pedro de Avioso que exaltará os usos e costumes de outrora até ao encerramento da festa, pelas 20 horas.

Continuar a ler...

Edição 671

No Pó dos Arquivos: São Rosas de Santa Maria, meu Senhor!

Publicado

em

Por

O título desta minha colaboração mensal sugere o Auto das Rosas de Santa Maria, de Cândido Guerreiro (1871-1953). Algarvio, advogado de formação, foi poeta e dramaturgo por vocação. Elegeu para tema desta obra, publicada em 1940, a proeza de Gil Eanes – também ele algarvio – que, às ordens do Infante, ousou desafiar o Mar Tenebroso, para passar o Cabo Bojador. Que desespero, o da mãe! Que loucura, a do Infante! Que ignorância, a do cosmógrafo! Maior só o júbilo de Gil Eanes: “dobrei o cabo Bojador! Para memória deste dia/Trago-vos estas ervas tão viçosas/Como se eu acabasse de colhê-las/Que lindo nome têm! Santa Maria/Dignai-vos, meu Senhor, de recebê-las.”
A colaboração que hoje apresento, afinal, nada tem a ver com o Auto das Rosas de Santa Maria; apenas usurpei o título! Foi um logro e dele me penitencio.
A atribuição dos nomes, antes da vigência do registo civil:
Nos assentos paroquiais de baptismos, o pároco apenas “dava o nome” próprio, “nome de baptismo” à criança que lhe fora apresentada no prazo estabelecido nas Constituições diocesanas, normalmente nos primeiros oito dias de vida. Ultrapassado este prazo, a administração do baptismo carecia de licença expressa, requerida ao Bispo da diocese. Apenas na idade adulta – geralmente no registo paroquial do casamento – se acrescentava ao nome do baptismo o nome da família: aos filhos o apelido do pai e às filhas o apelido da mãe.
Dos livros paroquiais de Santa Maria de Alvarelhos:
Joaquim Moreira Marques (bisneto de Gualter Marques, de São Pedro Fins), natural de Alvarelhos, casou, em 1890, com Joaquina Rosa de Oliveira, sua conterrânea. Deste casamento nasceram:
Em 1891, Maria, que veio a casar, sob o nome de Maria Rosa Moreira, com Bernardo de Sousa Pereira; em 1892, Francisco, que veio a casar, sob o nome de Francisco Moreira Marques, com Aurora da Silva Moreira; em 1893, Palmira, que veio a casar, sob o nome de Palmira Rosa Moreira, com Albino José de Moura; em 1904, Conceição, que veio a casar, sob o nome de Conceição Rosa Moreira, com Joaquim Azevedo Torres (Fonteboa); em 1906, Américo, que veio a casar, sob o nome de Américo Moreira Marques, com Sofia de Campos Maia; em 1909, Olindina, que veio a casar, sob o nome de Olindina Rosa Moreira, com Edmundo Dias da Silva. Rosas de Santa Maria de Alvarelhos! E das quatro Rosas nascidas em Santa Maria de Alvarelhos, três foram plantadas em São Cristóvão do Muro!
Dos livros paroquiais de Santiago de Bougado:
Ermelinda, filha natural de Ana Joaquina da Silva, solteira, do lugar da Lagoa, foi perfilhada pelo Padre Manuel da Fonseca Cruz, por escritura pública de 4 de Novembro de 1859 e obteve, por Mercê Régia, a Carta de Legitimação assinada pelo Rei D. Pedro, a 20 de Outubro de 1860.
Aos dezasseis anos, Ermelinda da Fonseca casou com João da Costa Ferreira. Este casamento foi dissolvido por óbito do marido, passado um mês. Ermelinda, com dezassete anos e já viúva, casou, em segundas núpcias, com Semião José Pereira dos Santos, solteiro, de trinta e seis anos, natural de Mosteirô. Deste casamento nasceram:
Em 1865, Maria, que casou com o nome de Maria Ermelinda Pereira Serra, com Cândido Dias Moreira Padrão; em 1868, Matilde, que casou com o nome de Matilde Ermelinda Pereira Serra, com José Antero Dias da Costa Campos; em 1873, Leopoldina, que casou com o nome de Leopoldina Ermelinda Pereira Serra, com Manuel Dias da Costa; em 1882, Júlia, que casou com o nome de Júlia Ermelinda Pereira Serra, com Joaquim de Sousa Reis.
Dos livros paroquiais de São Cristóvão do Muro:
Manuel António Duarte, natural de Santa Maria de Avioso, casou, em 1867, com Maria Joaquina Ramos, natural de Fajozes. Deste casamento nasceram: Joaquim António Duarte, José António Duarte, Domingos Ramos Duarte, Francisco António Duarte; Maria Joaquina Ramos, Ana Joaquina Ramos e Joaquina Maria Ramos.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também