quant
Fique ligado

Edição 684

A DECO aconselha…Poupar para um sonho realizar

Publicado

em

Todos temos sonhos, mas, muitas vezes, não os conseguimos alcançar. Um carro novo, uma viagem, uma poupança para a reforma, entre outros desejos, podem parecer impossíveis, contudo, com uma melhor gestão do orçamento familiar poderão mais facilmente tornar-se realidade.
Não se pode confundir o sonho financeiro com o objetivo financeiro. O sonho é algo que se espera que aconteça, o objetivo é algo que se define e que se planeia. A concretização dos sonhos exige que se estabeleçam objetivos e metas para os alcançar. Em regra, é necessário juntar algum dinheiro primeiro, ou seja, é necessário poupar e esta é uma tarefa difícil.
O que fazer para alcançar a meta proposta? Começar, sem dúvida, pela elaboração de um orçamento familiar. Comece por registar o que recebe e o que gasta diariamente. No dia-a-dia há sempre pequenas coisas nas quais podemos gastar dinheiro sem nos apercebermos, como o pequeno-almoço ou os cafés fora de casa. Por isso, temos de registar tudo o que gastamos mesmo que sejam apenas moedas, pois só assim conseguiremos saber para onde vai afinal o nosso dinheiro e repensar alguns gastos.
Poderá fazer este registo num caderno simples, mas também já existem algumas aplicações móveis que facilitam a tarefa. Envolva toda a família neste exercício. Este é um excelente ponto de partida para uma boa gestão financeira.
Por outro lado, sempre que realiza uma compra, por mais pequena que seja, deverá refletir: será que necessito mesmo deste produto? Esta pergunta irá ajuda-lo a resistir às compras por impulso e a comprar o que verdadeiramente necessita.
E nunca se esqueça: tão importante quanto o que recebemos é o dinheiro que poupamos!
Mais informações em: www.gasdeco.net
DECO Norte – Rua da Torrinha, 228H, 5º, 4050-610 Porto; deco.norte@deco.pt

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 684

Altronix propõe-se a criar soluções inovadoras na saúde

Publicado

em

Por

“Fornecer soluções diferenciadoras, que agilizem procedimentos, promovam maior eficiência e reduzam tempos e erros de execução, ao nível operacional” é o desafio atual da Altronix, empresa sediada na Trofa, que tem apostado na tecnologia RFID para melhorar os processos nas unidades de saúde. Assumindo-se como “uma das principais entidades parceiras de diversas unidades de saúde, como hospitais, centros, clínicas e fármácias”, apesar de esta área representar “apenas 15 por cento da faturação”, a Altronix anunciou que, além dos mais de 40 milhões de cartões produzidos e 36 milhões de etiquetas anualmente fabricadas, que “permitem identificar, de forma automática, profissionais de saúde e pacientes”, ainda fornece equipamentos complementares, nomeadamente impressoras de etiquetas e terminais móveis de leitura e captura de dados, desenhados especificamente para a área da saúde.
A empresa da Trofa quer crescer no setor, considerado pelo CEO Rui Fonseca “um segmento cada vez mais importante”. “É acima de tudo uma oportunidade de negócio e uma área na qual temos vindo a investir, pesquisando e auscultando o mercado. Queremos, acima de tudo, estar próximos dos nossos clientes e fornecer-lhes soluções cada vez mais sofisticadas, que respondam claramente às suas necessidades”, refere o CEO da Altronix.
Esta aposta acompanha a curva de crescimento da organização, que potenciou o negócio no mercado externo, tendo vindo a reforçar o quadro de pessoal. Recentemente, mudou-se para novas instalações – perto da demolida Ponte da Peça Má -, que resultaram de um investimento de 1,5 milhões de euros.
Além da sede, a Altronix possui uma filial, em Lisboa, e está representada em Madrid e Vigo. Ao longo de 14 anos de atividade, somou mais de 5900 projetos em Portugal, Espanha, Cabo Verde, Moçambique, Angola e Timor-Leste.
A Altronix é especializada na comercialização e suporte de soluções nas áreas de identificação de pessoas, codificação de produtos e mobilidade empresarial.

Continuar a ler...

Edição 684

Não há que ter medo da liberdade de expressão

Publicado

em

Por

Quanto mais culta e evoluída for uma sociedade, um país, uma nação, menos portas se abrirão para os extremismos patéticos e para as intolerâncias bacocas, que minam a democracia e a liberdade. Em Portugal, um país de brandos costumes, os extremismos têm um significado eleitoral muito residual, excetuando os bloquistas que engordaram com o emagrecimento dos socialistas, só que estão de novo a definhar.
A absurda polémica pública provocada pela participação de um energúmeno extremista, que defendeu Salazar e as suas ideias, contrasta com as afirmações que não provocaram polémica de um dirigente, e atual autarca comunista, que à chegada a Portugal vindo de uma visita oficial à Coreia do Norte afirmou que não sabia se esse país era regido por um sistema não-democrático. Estas afirmações estão em consonância com as declarações de um outro seu camarada, que defendeu o regime ditatorial da Venezuela, num canal televisivo, para o qual também tinha sido convidado.
São graves estas afirmações feitas em televisão, como tinham sido graves as declarações do ideólogo do MRPP e “grande educador da classe operária” Arnaldo Matos feitas numa rede social, que declarou, sem papas na língua: “Operárias e operários: organizemo-nos e lutemos contra a exploração capitalista, com tudo o que tivermos à mão!”. Acompanhando o apelo, Arnaldo Matos partilhou a imagem de duas metralhadoras Ak47.
Estas afirmações são muito graves, só que não originaram qualquer tipo de polémica, talvez por terem sido feitas por dirigentes esquerdistas, que continuam a ser convidados de canais televisivos para comentarem a situação política atual. Se as mesmas firmações (ou semelhantes) tivessem sido feitas, por um qualquer dirigente político de direita caía o “Carmo e a Trindade”, como caiu com as afirmações do extremista, que defendeu Salazar.
A mais forte das tradições das esquerdas políticas é a tradição jacobina, que foi sempre liberticida, pois nunca respeitou a liberdade dos outros. O debate entre diferentes correntes de opinião (concordemos com elas ou não) faz parte de uma sociedade plural, democrática e tolerante, desde que devidamente comprometido com o respeito pela individualidade de cada um, e pelos direitos, liberdades e garantias fundamentais de um povo.
É verdade que os extremismos andam por aí e será trágico fechar-lhes os olhos, mas não devemos dar-lhe a importância que não têm. E, mesmo que seja incómoda, não há que ter medo da liberdade de expressão, que é um valor com proteção constitucional.
Pode parecer estranho haver liberdade para os inimigos da liberdade, mas a melhor forma de garantir a liberdade é não hipotecar a nossa liberdade de agir. Muito menos consignar a nossa liberdade de ser!

moreira.da.silva@sapo.pt
www.moreiradasilva.pt

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);