quant
Fique ligado

Edição 663

A afirmação da mulher é uma luta que (ainda) se justifica: “Valorizam a minha sensibilidade feminina no exercício das minhas funções”

Publicado

em

“Claro que as mulheres ganham menos que os homens. Elas são mais fracas, mais pequenas e menos inteligentes”. As palavras do eurodeputado polaco Janusz Korwin-Mikke, em pleno século XXI, mostram que a luta pela igualdade de género é mais atual do que aquilo que possamos pensar e mais universal do que o que parece.
Podemos viajar até 1857 para encontrar o início de uma luta, que se prolongou ao século XX, por melhores condições de trabalho, salários baixos, excessivas horas de trabalho ou o direito ao voto. Em 1975, a Organização das Nações Unidas decretou oficialmente o dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher.
Algumas das mulheres contemporâneas vestem a pele de várias mulheres e usam uma capa quase que de super-heroínas que lhes permite realizar várias tarefas diárias e quase em simultâneo. De forma a homenagear as mulheres em geral, fomos à procura de alguns exemplos que marcam a diferença a nível pessoal e profissional e que nos mostram que esta é uma luta que valeu e continua a valer a pena, todos os dias do ano.

“Valorizam a minha sensibilidade feminina no exercício das minhas funções”

“Dar” fá-la “mais feliz” do que “ter”. Talvez por isso, Daniela Esteves seja, aos 35 anos, uma das mulheres que inspira os outros a “fazerem o bem sem ver a quem”.
Em 2013, abraçou o desafio de presidir a delegação da Trofa da Cruz Vermelha, um cargo que juntou ao de diretora de recursos humanos da Clínica Parque da Cidade. No meio de uma agenda tão preenchida, Daniela José Costa Esteves Malheiro ainda tem como missão ser esposa e mãe dedicada.
Licenciada em Psicologia Clínica, Daniela assume, como quase todas as mulheres, dois lados de uma personalidade muito vincada. Diz-se “muito ambiciosa, determinada, trabalhadora e muito justa”, mas também “muito sensível e dona de uma grande generosidade”. Enquanto presidente de uma instituição considera dar um contributo “fundamental” à sociedade e julga “estar à altura de servir” e “cumprir os desígnios” a que se propôs. “Adoro dar… dar faz-me mais feliz do que ter! Vivo com um lema simples ‘quanto mais dou mais tenho’ e ‘ser feliz todos os dias’. E sou”, afirmou.
Toma decisões “de forma racional e pouco emocional” e considera ser “exemplar e implacável no trabalho”. “As pessoas esperam muito de mim. É isso que me move e orienta”, frisou.
Os desafios a que sempre se propôs, e que foi conseguindo atingir, mostram uma mulher persistente e segura de si. Talvez por isso, Daniela nunca tenha sentido na pele nenhum tipo de descriminação profissional. “Valorizam a minha sensibilidade feminina no exercício das minhas funções e nunca senti qualquer tipo de discriminação de género em toda a minha vida”, assegurou.
A presidente da Cruz Vermelha defende, no entanto, que “podem existir qualidades ou capacidades masculinas/femininas que se possam ajustar a determinados cargos/funções sem que isso determine melhor ou pior desempenho”.
Considera o papel da mulher “indispensável e determinante”, mas ser várias mulheres no corpo de uma nem sempre é fácil. “Conciliar a vida profissional e familiar é um desafio”, que “reque escolhas, cedências, compreensão, dedicação, organização e muito muito trabalho”, apontou.
Vive e dedica o Dia Internacional da Mulher à mãe, de quem sempre teve “bons conselhos e um apoio incondicional” e que sempre defendeu a sua “independência e prosperidade”. “Acho que é um dia em que deveríamos homenagear mulheres que no passado alcançaram determinadas conquistas, para que mulheres do presente e futuro possam ter condições melhores e mais justas”, asseverou.
Daniela Esteves acha que as mulheres portuguesas não se devem “render nem refugiarem na estigmatização e devem entender que o seu percurso deve estar focado não em competir com o universo masculino, mas na manutenção do papel da mulher como profissional capacitada e habilitada a desempenhar funções independentemente do domínio dos homens”. L.O.

 

Entrevista Completa

NT: Nota biográfica (dados pessoais e percurso profissional)
DE: Daniela José Costa Esteves Malheiro, 35 anos, licenciada em Psicologia Clínica, Diretora de Recursos Humanos na Clínica Parque da Cidade, casada, 1 filho.

NT: Alguma vez se sentiu prejudicada no exercício das suas funções por ser mulher?
DE: Felizmente não, pelo contrário, valorizam a minha sensibilidade feminina no exercício das minhas funções e nunca senti qualquer tipo de discriminação de género em toda a minha vida

Publicidade

NT: Foi difícil chegar onde conseguiu chegar a nível profissional?
DE: A dificuldade que senti foi própria da regulação do mercado de trabalho e não por questões de género. Considero-me felizarda pois desde cedo planeei o meu percurso e decidi arriscar num negócio próprio, que com muito trabalho e dedicação tem sucesso.

NT: Considera que há cargos/profissões que são mais bem executados por mulheres/homens?
DE: Considero que podem existir qualidades ou capacidades masculinas/femininas que se possam ajustar a determinados cargos/funções sem que isso determine melhor ou pior desempenho. Não acredito que o género vai determinar essa condição.

NT: Alguma vez sentiu pressão para conseguir dar a mesma atenção à vida profissional e à vida familiar?
DE: Conciliar a vida profissional e familiar é um desafio. Sobretudo para quem é extremamente exigente no desempenho dos diferentes papéis (mãe, esposa, profissional). Requer escolhas, cedências, compreensão, dedicação, organização e muito muito trabalho. Felizmente, graças ao meu marido e família tenho um excelente suporte e retaguarda que me permitem aspirar a grandes desafios

NT: Como se descreve enquanto mulher?
DE: Sou muito ambiciosa, muito determinada e muito trabalhadora, considero-me muito justa (pelo menos vivo com essa consciência). As minhas decisões são tomadas de forma racional e pouco emocional, sou exemplar e implacável no meu trabalho. Por outro lado, sou muito sensível e dona de uma grande generosidade. Adoro dar… dar faz-me mais feliz do que ter! Vivo com um lema simples “quanto mais dou mais tenho e “ser feliz todos os dias”. E sou!

NT: O que sente por ser uma mulher de relevo no seu concelho?
DE: Uma enorme responsabilidade! Abraçar uma causa desta dimensão no seio de uma organização como a Cruz Vermelha, é uma enorme missão que é diretamente proporcional à satisfação que retiro no nosso desempenho.
Sinto que tenho nas minhas mãos o dever de cumprir os desígnios a que me propus e que as pessoas esperam muito de mim. Entendo estar à altura de servir este propósito.

NT: Como vê o contributo que dá à sociedade?
DE: Fundamental. São imensos os agregados que dependem do apoio, a vários níveis, da instituição a que presido. É isso que me move e orienta! Olhar para quem carece e saber que prestamos auxílio. É essa a nossa missão!

NT: O que acha do Dia Internacional da Mulher? Como vive esta data?
DE: Acho que é um dia em que deveríamos homenagear mulheres que no passado alcançaram determinadas conquistas, para que mulheres do presente e futuro possam ter condições melhores e mais justas. Eu dedico o Dia Internacional da Mulher à minha mãe, que sempre me deu bons conselhos e sempre defendeu a minha independência e prosperidade. Incentiva-me constantemente a aspirar mais alto e é um apoio incondicional na minha vida. Esse dia passamos juntas a fazer “coisas de mulheres”.

Publicidade

NT: Como vê o papel da mulher na sociedade atual?
DE: Indispensável e determinante. Cada vez mais exerce um papel preponderante aumentando o seu espaço nas estruturas sociais e profissionais.

NT: O que falta às mulheres portuguesas?
DE: Não se renderem nem refugiarem na estigmatização e entenderem que o seu percurso deve estar focado não em competir com o universo masculino, mas na manutenção do papel da mulher como profissional capacitada e habilitada a desempenhar funções independentemente do domínio dos homens.

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 663

A Máquina de Propaganda – Parte 4 – Toninho, onde estás tu?

Publicado

em

Por

Quando foi criado, com o objectivo de servir como instrumento de propaganda da coligação PSD/CDS para a luta autárquica de 2013, o Correio da Trofa incluía uma espécie de editorial, assinado por uma personagem fictícia de seu nome Toninho. Se quem o escrevia era algum dos jornalistas do CT, um militante de um dos partidos que integravam e ainda integram a coligação ou um misto de ambos, que os havia, nunca saberemos. Sabemos apenas que o propósito do Toninho era atacar Joana Lima, o PS e qualquer um que se atravessasse no caminho da oleada e abastada máquina de propaganda humbertista.
Para quem não conhece este hino à cobardia, à canalhice e à total ausência de vergonha na cara, sugiro que revisitem as edições mais antigas do pasquim. Facilmente perceberão o nível rasteiro e desonesto que pautava ditos editoriais. Mais recentemente, na antecâmara das Autárquicas do ano passado, surgiu uma reedição do Toninho, igualmente cobarde, canalha e sem vergonha na cara. Mas ainda não chegou o momento de falar da ratazana com pele de cordeiro e do seu testa-de-ferro acéfalo, que esta procissão nem ao adro chegou.
Foquemo-nos, pois, na saudosa personagem do Toninho. Nesse ser fictício que outrora nos chamava a atenção para as práticas mais suspeitas e nebulosas do antigo regime. Nesse exemplo maior da ordinarice política, que nos falava sobre compadrios, favores e negócios insólitos que marcaram negativamente o exercício do poder do executivo Joana Lima. Nesse fantoche orquestrado por políticos sem escrúpulos ou espinha dorsal, a quem nada escapava. Nesse exemplo maior que reflecte, como poucos, quão baixo um político está disposto a ir pelo poder, e que desapareceu assim que o objectivo para o qual foi criado foi atingido. Onde estás tu, Toninho?
Tenho curiosidade de perceber o que seria se o Toninho existisse, se continuasse a sua cruzada e, imaginação fértil a minha, se fosse um tipo desprendido do poder, honesto e imparcial. Questiono-me sobre o que diria ele acerca dos mais de 20 mil euros que o executivo Sérgio Humberto entregou aos anteriores proprietários do jornal, para organizar uma treta de concurso de fotografia e para conceber uma revista em paradeiro incerto. Questiono-me sobre a opinião que teria sobre as dezenas de milhares de euros entregues a ex-funcionários do CT, sob a habitual forma de ajuste directo, alguns dos quais chegaram mesmo a ser contratados pela autarquia para outras funções. Questiono-me sobre que juízos formularia quanto ao facto da então esposa do proprietário da empresa de assessoria de comunicação contratada pela coligação, Zita Formoso, cuja ligação à Trofa era inexistente antes das eleições, ter sido contratada para chefe de gabinete do presidente da câmara, auferindo um salário muito acima daquilo a que um comum mortal pode aspirar.
Questiono-me também sobre a ferocidade dos ataques que decorreriam na sequência dos muitos ajustes directos nebulosos que marcam a era humbertista, da utilização de recursos públicos para fins pessoais pelo presidente da câmara, da censura d’O Notícias da Trofa e da Trofa TV, da perseguição ao Clube Slotcar da Trofa, do despesismo eleitoralista que caracterizou a campanha de 2017 e, entre tantos outros exemplos que poderiam aqui ser referidos, dos muitos empregos que soube dar “aos senhores do seu aparelho partidário”, para citar uma publicação da JSD Trofa de 2011, do tempo em que Joana Lima era presidente e os jotas laranjas se preocupavam com estas coisas. Nem de propósito, o mais recente elemento do aparelho partidário do senhor presidente, a quem Sérgio Humberto soube dar emprego, foi precisamente a presidente da JSD. E da JSD, como do saudoso Toninho, nem um pio, que primeiro está o partido e os chefes e só depois os trofenses. Irónico? Nada disso. Apenas o modus operandi habitual dos políticos profissionais, com os seus dois pesos, as suas duas medidas e a sua falta de respeito por todos nós.

Continuar a ler...

Edição 663

Paróquia de S. Martinho orou 24 horas ao Senhor

Publicado

em

Por

A 2 e 3 de março, decorreram as 24 horas para o Senhor, na paróquia de S. Marinho de Bougado.
A maratona da fé iniciou na missa das 19 horas de sexta-feira e terminou na eucaristia das 19 horas de sábado. Durante as 24 horas, grupos da catequese, escuteiros, equipa de pais de apoio à catequese, grupos de jovens e demais grupos de cariz religioso oraram ao Senhor.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também