O Centro Paroquial do Muro – cuja primeira pedra foi lançada em 10 de agosto de 1963 – comemora este ano o 50.º aniversário da sua inauguração (1964 – 2014). Em muito boa hora, o pároco da freguesia, Padre Rui Alves, e o Conselho Económico Paroquial, com o apoio de uma comissão, decidiram recordar a efeméride com um conjunto de iniciativas que decorrerão ao longo deste ano de 2014.

Pretende-se homenagear todos os briosos paroquianos e benfeitores que naquele tempo de há meio século atrás – através de peditórios, sorteios e cortejos – se empenharam na realização desta obra, para a época, um vultuoso e extraordinário empreendimento.

Assim, no sábado, 21 de junho, dando início às comemorações, foi celebrada a Eucaristia em que foram recordados os homenageados. Às 21 horas o salão do centro encheu-se de paroquianos que quiseram demonstrar com a sua presença o quanto estão gratos à comunidade geracional de então e recordar os seus generosos benfeitores que abnegadamente se empenharam na realização deste nosso Centro Paroquial.

A grandiosidade de uma obra desta natureza (que neste breve apontamento não podemos pormenorizar) mas que desde sempre foi, e continua a ser, um bem imprescindível para a dinamização e vivência de qualquer comunidade paroquial moderna, representou naquela época um enorme salto na qualidade e afirmação dos vários movimentos paroquiais, desde a catequese às várias associações ligadas à comunidade paroquial, de crianças, jovens ou adultos.

É claro que, em homenagens como esta, corre-se o risco de, inadvertidamente, esquecermos alguns dos seus melhores obreiros. Dois nomes há, porém, que são inconfundíveis e incontornáveis: o Pe. Manuel Henriques Ribeiro, pároco de então, pela iniciativa e dinamização da obra, e o inesquecível empresário e benemérito, Arnaldo Ferreira Gonçalves, pela generosidade das suas ofertas. Estes dois homens, sendo os obreiros decisivos da construção deste centro e de muitas outras obras ligadas à paróquia bem mereceram, como os paroquianos de então, a homenagem que no sábado lhes foi dedicada.

A Sessão terminou com o descerramento de uma placa comemorativa do 50.º aniversário do Centro dedicada “aos que concretizaram o sonho”.

Esperamos, expectantes, pelos restantes atos que decorrerão até final do corrente ano.

J.M.Areal/A.Moreira