quant
Fique ligado

Edição 677

A desresponsabilidade e a falência do estado

Publicado

em

O assalto ao paiol de armas e explosivos de Tancos, onde roubaram muito material de guerra, revelou um aumento significativo na quebra de confiança no Estado português, como já se vinha a sentir há muito tempo, em diversas situações. Mais uma vez se confirmou que o Estado não garante o bem-estar, a segurança e a dignidade ao povo português.
O Estado tem-se vindo a desresponsabilizar e a deixar de cumprir as funções que lhe estão constitucionalmente atribuídas. O mesmo já tinha acontecido na tragédia dos fogos florestais, e mais concretamente no incêndio que deflagrou em Pedrogão Grande e alastrou a concelhos vizinhos provocando muitos mortos e feridos e a destruição de muitas habitações.

Para agravar o episódio rocambolesco do roubo das armas está o facto de o ladrão ter sido um ex-militar, que terá recorrido a informações privilegiadas, com a conivência de elementos da Guarda Nacional Republicana (GNR) e da Polícia Judiciária Militar (PJM). Esta polícia militar, para além de ter tentado atrapalhar a investigação feita pelo Ministério Público (MP) e pela Polícia Judiciária (PJ), também tentou bloquear as investigações, alegando que o crime é essencialmente militar.
Este exemplo da falência do Estado português foi agravado com a recusa de um juiz de Lisboa, do Tribunal Central de Instrução Criminal (TIC), em autorizar escutas telefónicas aos suspeitos identificados, e de dois juízes do Porto e Leiria terem recusado receber o processo com a informação que alertava para a possibilidade de ocorrer um furto de armas, alegando incompetência territorial ou processual. Infelizmente são bem conhecidas estas habilidades saloias e burocráticas!

Tudo isto foi um pesadelo institucional para as Forças Armadas, para a Justiça e também para o Governo, pois o ministro da Justiça não se viu, o ministro da Defesa não existiu e o primeiro-ministro fugiu às suas responsabilidades, ao desvalorizar a complexidade do caso e a desresponsabilizar o ministro da tutela, na senda do que já tinha acontecido na tragédia de Pedrogão Grande. É a falta de sentido de Estado, que é típico deste tipo de governantes!

O Estado português está permanentemente a sofrer rudes golpes, como é o exemplo caricato do eleitoralismo bacoco e “geringonçado”, do aumento dos salários dos funcionários públicos, quando uma auditoria da Inspeção-geral de Finanças (IGF) ao Sistema de Informação da Organização do Estado (SIOE) concluiu que o Estado Português não sabe ao certo quantos funcionários públicos existem nem quanto ganham. Só se pode concluir que a governação faz um exercício de tiro ao alvo, nos seus orçamentos anuais. Às vezes acerta, outras vezes nem por isso!

moreira.da.silva@sapo.pt

www.moreiradasilva.pt

Publicidade
Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 677

Estudantes russos conhecem Escolinha de Rugby

Publicado

em

Por

Foi como modelo de inclusão que a Escolinha de Rugby da Trofa se apresentou a uma comitiva russa de professores e jovens universitários, do curso de Empreendedorismo Social. A visita aconteceu no dia 21 de setembro e surgiu de um desafio lançado pela Área Metropolitana do Porto.

“Esta viagem teve o alto patrocínio da Universidade Estatal e do Presidente da Rússia e trouxe até à Trofa alunos provenientes de várias cidades daquele país (Moscovo, Rostov, Novosirbisk e Volgogrado)”, explicou Ricardo Costa. O responsável da Escolinha de Rugby referiu ainda que a visita a Portugal serviu para o “enriquecimento académico dos estudantes”, relativamente às “boas práticas de inovação social”.

“Desde a sua inauguração, em dezembro de 2013, a Escolinha de Rugby já recebeu a visita de instituições espanholas, irlandesas e russas que vêm até à Trofa conhecer um projeto considerado inovador e que é cada vez mais um exemplo de boas práticas sociais”, concluiu.

Continuar a ler...

Edição 677

Bianca é a nova amiga do Trofi (c/ vídeo)

Publicado

em

Por

Bianca foi o nome escolhido para a mais recente mascote do Clube Slotcar da Trofa. No sábado, dia 29 de setembro, o novo tigre-de-bengala branco da associação foi apresentado ao público mais jovem.

A nova amiga do Trofi vem complementar a história da mascote do Clube. “A ideia surgiu da necessidade de o Trofi, que já está crescido, ter uma namorada e assim alargamos o âmbito das nossas mascotes para um lado mais feminino, porque o Clube não é feito só de homens. Queremos que essa representatividade de géneros também esteja presente”, disse o vice-presidente do Clube Slotcar da Trofa, João Mendes.

Marisa Coutinho, responsável da empresa Boomer, afirmou que “a ideia é que a Bianca seja uma embaixadora da própria espécie, que consciencialize as pessoas para o risco de extinção da mesma e para a importância de preservarmos as espécies”.

A Quintinha da Susana, em Cidai, foi o local escolhido pela associação para apresentar a nova mascote, sendo que a festa conseguiu reunir várias crianças do concelho da Trofa, animando-os com um insuflável, pinturas faciais e um espetáculo de ballet de bailarinas da escola Passos de Dança. E até a Bianca mostrou os seus dotes na dança.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também