Após quase dois anos a “marinar”, está já nas mãos de cerca de 1800 crianças o terceiro volume das “Histórias do Trofi”. O projeto é do Clube Slotcar da Trofa, que decidiu distribuir o livro pelos alunos do jardim de infância e 1.º ciclo do ensino público do concelho no Dia da Criança, 1 de junho.

O lançamento aconteceu no dia 29 de maio, numa iniciativa mais intimista do que habitual, devido à pandemia de Covid-19, na Quintinha de Cidai, local que até serve de palco da primeira história do livro, em que o Trofi conhece a Bianca, a mais recente mascote do clube.
A partir daí, os dois amigos avançam para uma jornada pelo património da Trofa, de onde se destaca o Castro de Alvarelhos e outros monumentos, tendo sempre como tónica “a promoção de valores e ideais que devem acompanhar as crianças e os adultos na vida em sociedade”, explicou Alexandra Santos, autora dos contos desde o primeiro volume deste projeto.
A ela, que é professora, a história que mais lhe toca é a que aborda o “bullying”. “É algo que se vê muito nas escolas e esta história dá ferramentas às crianças para que saibam como agir nestes casos”, desvendou.
Mas também há histórias sobre a igualdade de género e a questão dos brinquedos para meninos e para meninas e até a pandemia ganha protagonismo com um conto, que “dá sugestões” aos mais pequenos de “como se devem proteger e ajudar os outros”.
Para dar forma e cor à escrita de Alexandra Santos, foi também, novamente, convocado Paulo Fernandes. Para o ilustrador, foi “um divertimento” fazer este trabalho. “A Alexandra fez histórias muito bonitas e foi muito fácil pegar nas dicas que os textos dão e transcrever para a imagem, porque estão muito orientados e com muitos ensinamento”, descreveu.
Já a desenvolver este projeto há quase dois anos, período em que a pandemia também foi obstáculo, a direção do Clube Slotcar da Trofa congratulou-se pelo resultado final. “A Alexandra brindou-nos com histórias que dizem muito do que são os valores e ideais que defendemos, pelo que só temos de estar contentes com este livro, até porque ficamos com a ideia de que nos conseguimos superar a cada novo volume”, adiantou Tiago Azevedo, presidente da associação.
O dirigente considera que, assim como o lançamento, o momento mais significativo do projeto é aquele em que as crianças recebem o livro. Ao contrário do que é habitual, não podemos ter o Trofi nas escolas a distribui-lo, mas, ainda assim, será, certamente, um bom presente para eles no Dia da Criança”, acrescentou.
E no lançamento do terceiro volume ficou já no ar a “boa-nova” de que “na calha” está já o desenvolvimento do quarto volume das “Histórias do Trofi”. “É um projeto ainda embrionário, mas já temos algumas histórias preparadas”, anunciou Tiago Azevedo.