No âmbito do Dia Nacional do Voluntariado, o Secretário de Estado da Administração Interna, Ascenço Simões, garantiu que o Governo tem 150 milhões de euros para investir nos Bombeiros e Protecção Civil. Ao promover o Ano do Voluntariado nos Bombeiros, a Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) pretende conciliar "os valores humanistas com a modernidade que o desafia" numa lógica de integração e inclusão social.

O "Ano Nacional do Voluntariado nos Bombeiros" foi oficialmente aberto no passado sábado, no pavilhão 5 da Exponor. A cerimónia teve por objectivo sublinhar a importância do voluntariado nos serviços de bombeiros. Como tal, foram promovidos os novos bombeiros de terceira classe.

No evento marcou presença uma Força dos Bombeiros do Distrito do Porto, constituída por um total de 223 efectivos: quatro pelotões (136 efectivos), bloco de estandartes (45 efectivos), fanfarra (34 efectivos), estandartes nacionais com escolta (quatro efectivos) e estandarte da Federação dos Bombeiros do Distrito do Porto (quatro efectivos).

Ascenço Simões garantiu que o Governo tem 150 milhões de euros para investir nos Bombeiros e Protecção Civil nomeadamente na formação, planeamento de riscos – nomeadamente sísmicos – e melhoramento dos edifícios dos bombeiros são o destino principal da verba.bombeiros.jpg

"Ainda temos cerca de 30 municípios onde há dificuldades operacionais nos quartéis e vamos tentar, até 2013, resolver todos os problemas da rede primária", adiantou Ascenço Simões.

O responsável pediu ainda a colaboração de todos os envolvidos nos combate a incêndios para reduzir a área florestal ardida em Portugal para menos de 100 mil hectares por ano.

A cerimónia contou ainda com a presença da Governadora Civil do Porto, Isabel Oneto, do presidente da Autoridade Nacional da Protecção Civil, Arnaldo Cruz, do presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito do Porto, José Miranda, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Duarte Caldeira, e o presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Guilherme Pinto.

Ao promover o Ano do Voluntariado nos Bombeiros, a Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) pretende conciliar "os valores humanistas com a modernidade que o desafia" numa lógica de integração e inclusão social, o presidente da Liga, Duarte Caldeira.

Durante a leitura do manifesto, lido em todos os distritos do país, o presidente frisou que "o voluntariado nos bombeiros permite que os indivíduos adquiram formação diversificada ao longo da vida".

O futuro das associações humanitárias de bombeiros passa pela promoção do reconhecimento do cidadão que desempenha o voluntariado, pela definição do novo modelo de financiamento das associações de bombeiros, e pela formação contínua de todos os intervenientes. O que se pretende é atingir o objectivo de excelência no desempenho e cumprir o lema "voluntários por opção e profissionais na acção", para quem o voluntariado "continua vivo".

Actualmente, existem 436 Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários em Portugal, "congregando nas suas fileiras cerca de um milhão e duzentos mil portugueses, entre associados, dirigentes e bombeiros", refere o manifesto da Liga dos Bombeiros Portugueses a propósito do lançamento do Ano Internacional do Voluntariado nos Bombeiros.