quant
Fique ligado

Edição 771

📹 A arte como “ato de solidariedade” para “sensibilizar as almas e a vida”

Publicado

em

“Estamos de coração cheio”. Foi desta forma que Conceição Campos, elemento da direção da Cruz Vermelha da Trofa se manifestou durante a inauguração da exposição coletiva, que junta 21 nomes de diversas manifestações artísticas. “Encontro-te” é o nome da mostra que reúne obras concebidas através da pintura, do desenho, da fotografia e da escultura e que pode ser vista até 30 de setembro, no auditório Tomé Carvalho, situado na sede da delegação, em Santiago de Bougado.
Na abertura, a 30 de julho, Conceição Campos revelou que o projeto “extravasou tudo o que se podia imaginar”, já que, apesar de a exposição ter sido pensada “de forma espontânea”, em conjunto com o curador Diogo André Jesus, o sim “de todos os artistas” foi inesperado. “Não contávamos que todos aceitassem. Tornou-se um projeto maravilhoso, que dignifica muito a Cruz Vermelha, ao contar com nomes da arte muito sonantes e consagrados”, acrescentou.
A delegação da Trofa será, segundo Conceição Campos, “das únicas” representantes da Cruz Vermelha do País com “um projeto cultural”, porque “entende que, além da comida, do vestuário ou de outro bem, é necessário enriquecer o espírito, é preciso sonhar e levantar os pés do chão, é dar um espaço onde toda a gente, desde que respeite os princípios da Cruz Vermelha, possa expor a sua arte”.


Foi na mesma linha de pensamento que o pintor e escritor Agostinho Santos decidiu aceder ao desafio. “Antes de mais, significa praticar um ato de solidariedade. A Cruz Vermelha é uma instituição credível, com muita obra solidária, e eu, naturalmente, não podia deixar de estar aqui, simbolicamente, com uma obra, porque a arte deve ter esta componente solidaria e abordar temas sociais. As questões da violência, da desigualdade e das injustiças devem ser abordadas, quer na pintura, como no desenho, na escultura ou na fotografia”, postulou, sem deixar de advogar que “a arte pode ser uma arma contra o mal”.
Rui Costa estreou-se, com “muito gosto”, a expor numa instituição “com o cariz como o da Cruz Vermelha”. “Esta é uma instituição que está sempre ao lado dos mais desfavorecidos, centenária, idónea, que luta por muitos valores da humanidade e mais do que nunca, hoje, acho que é o momento para podermos, enquanto artistas, podermos sensibilizar as pessoas, as almas e a vida”, referiu.
Já “em nome” dos 21 artistas que dão corpo à mostra, o curador Diogo André Jesus mostrou-se “satisfeito” pela “magnífica receção” e agradeceu à delegação “a boa-vontade” de “abrir o espaço à arte e oferecer esta espetacular exposição ao público”.
Os artistas participantes em “Encontro-te” são: Agostinho Santos, Ana Torrie, André Gigante, Diogo André Jesus, Elizabeth Leite, Henrique do Vale, Inês Osório, Isabel Lhano, João Sousa Pinto, Lina Carvalho, Manel Cruz, Manuel Santos Maia, Marco Dias, Maria Souto de Moura, Miguel Januário, Nazaré Alvares, Rui Costa, Rui da Graça, Valter Hugo Mãe, Vicente Cruz e Violante Saramago.

Continuar a ler...
Publicidade

Edição 771

Festas de S. Bartolomeu em S. Romão

Publicado

em

Por

S. Romão do Coronado vai estar em festa de 24 a 28 de agosto. A romaria em honra de S. Bartolomeu promete animar a população, com um cartaz cultural recheado de momentos de animação musical.
No primeiro dia, 24 de agosto, a iluminação será ligada com acompanhamento da rusga das concertinas, às 21h30, e na noite seguinte, à mesma hora, sobe ao palco o grupo de música tradicional portuguesa “A Rapaziada”.
A 26 de agosto, a noite é dedicada ao folclore, com atuação dos ranchos folclóricos de S. Romão do Coronado e de S. Pedro de Roriz (Santo Tirso) e do Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Modivas (Vila do Conde).
O fim de semana arranca com o som do Grupo de Bombos Santa Maria de Gémeos (Guimarães), que vai percorrer as ruas da freguesia até ao fim da tarde de sábado. Às 22h00, o palco será de João Neto e Leonardo, com música sertaneja. À meia-noite, o céu ilumina-se com fogo de artifício.


A 28 de agosto, há espetáculo musical com a Orquestra Pentágono, às 21h30, e, para encerrar as festividades, mais uma sessão de fogo de artifício.
Do ponto de vista religioso, destaque para as eucaristias de 24 de agosto, às 20h00, e de 28 de agosto, às 10h00. Neste mesmo dia, há procissão em honra de S. Bartolomeu às 16h00.

Continuar a ler...

Edição 771

Edu Fernandes: do CD Trofense para o SL Benfica

O jovem trofense Eduardo Fernandes é um dos jogadores em ascensão na cantera do Benfica.

Publicado

em

Por

O jovem trofense Eduardo Fernandes é um dos jogadores em ascensão na cantera do Benfica.

Ainda é muito jovem, mas já soma muitos anos com a bola nos pés. Eduardo Fernandes, 15 anos, é da Trofa e um dos mais promissores jogadores portugueses de futebol da atualidade. Foi no Clube Desportivo Trofense que deu “os primeiros pontapés” na redonda, a “ver os jogos do pai”. “Disse-lhe que também queria começar a jogar e ele pôs-me no clube. Nesse momento senti que queria isto para a minha vida”, revelou o jovem numa entrevista concedida ao NT e à TrofaTv, num dia de férias, em meados de julho.
O sonho prosseguiu no Vitória de Guimarães por três anos e agora no SL Benfica, o clube que decidiu escolher de entre “três clubes” que viram em Edu um diamante a lapidar. Mas desengane-se quem pensa que o caminho a partir daqui foi facilitado. Com 12 anos, Eduardo viu-se sozinho, em Lisboa, sem o conforto de ter a família por perto.
Com um nó na garganta, o jovem admitiu que os primeiros tempos “foram muito difíceis”, não pelo rigor dos treinos ou pela adaptação à nova escola, mas pela distância a que estavam os pais e o irmão. “De duas em duas semanas, eles iam a Lisboa visitar-me. Tivemos de nos habituar”.
O dia a dia é passado entre as aulas, numa escola pública, e os treinos, no Campus do Benfica, lugar onde Eduardo é, realmente, feliz, apesar da exigência que um clube como o das águias impõe. Esta temporada, deu nas vistas, com 16 golos em 29 jogos realizados no campeonato nacional de sub-15. Nos quatro últimos jogos da fase final – que acabou com o Sporting campeão – marcou cinco golos, frente ao FC Porto, SC Braga, Vitória de Guimarães e Académica.
O talento demonstrado também já o catapultou para a seleção de Portugal. Quando foi chamado pela primeira vez para representar as quinas, revela, ficou “mesmo feliz” e no primeiro jogo oficial conseguiu a proeza de ser “o primeiro jogador desta nova geração a fazer golo”. Foi frente à Finlândia, no Torneio das Nações.
Extremo de posição, Eduardo Fernandes sabe que entre as qualidades que o distinguem dentro das quatro linhas estão “a capacidade de ganhar no um para um, o drible e a tomada de decisão, tanto no cruzamento como no remate”.
Ao futebol agradece a felicidade que vive e aos clubes por onde passou a oportunidade de ter “evoluído muito como jogador e como pessoa”. “Quero mostrar o meu reconhecimento não só ao Benfica, como também ao Vitória e ao Trofense, porque sem a aprendizagem nestes clubes, nunca teria chegado onde cheguei”, admitiu.
O futuro quer-se, naturalmente, risonho, e se passar por Inglaterra, ainda melhor. Porque é “o melhor campeonato”, argumenta o jovem, que se vê “com 20 e poucos anos” a representar qualquer um dos emblemas britânicos, especialmente “o Manchester City”.
Apesar da tenra idade, Edu dá provas de grande maturidade ao reconhecer “os sacrifícios” feitos pela família para que o sonho de se tornar jogador profissional se torne realidade. “Espero, um dia, poder recompensá-los”, vaticinou.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);