Um morto e quatro feridos graves é o balanço do terceiro dia da "Operação Ano Novo" da GNR, elevando para seis o número de mortes registadas desde o início da acção de fiscalização, anunciou hoje a GNR.

 Em declarações à agência Lusa, uma fonte da Brigada de Trânsito da Guarda Nacional Republicana (GNR) adiantou que no terceiro dia da acção de fiscalização rodoviária foram registados 177 acidentes de viação, que causaram um morto, quatro feridos graves e 63 feridos ligeiros.

De acordo com a mesma fonte, nos primeiros três dias da operação, que começou às 00:00 de sexta-feira, a GNR registou na sua área de actuação "um total de 623 acidentes, menos 302 do que em igual período em 2006".

    "Nestes três dias foram ainda registados seis vítimas mortais, menos duas do que no ano anterior, oito feridos graves (menos doze) e 176 feridos ligeiros (menos 92)", disse a mesma fonte.

    No terceiro dia da fiscalização rodoviária, a Brigada de Trânsito fiscalizou 2.595 condutores, tendo registado 1.057 autos de contra ordenação, dos quais, 579 corresponderam a infracções graves e 116 a infracções muito graves.

    Um total de 54 autos de contra ordenação foram levantados a condutores e/ou passageiros que não usavam cinto de segurança ou outro sistema de retenção ou devido ao seu uso incorrecto.

    No âmbito do controlo de velocidade foram detectados 557 excessos.

    Foram também levantados 23 autos de contra ordenação por circulação de veículo sem seguro de responsabilidade civil obrigatório.

    Relativamente ao controlo do álcool, a GNR fiscalizou um total de 1.282 condutores, dos quais 93 apresentaram excesso de álcool no sangue.

    Trinta condutores (o número mais alto até agora) foram detidos por atingirem uma taxa de álcool no sangue (TAS) igual ou superior a 1,20 gramas por litro de álcool no sangue, considerada crime.

    De acordo com a GNR, foram ainda detidos seis condutores por condução sem habilitação legal e prestada assistência a um total de 259 condutores.

    A Operação "Ano Novo" da GNR começou às 00:00 de sexta-feira, com dois mil militares nas estradas diariamente até às 24:00 de 02 de Janeiro, em colaboração com a Protecção Civil e os Bombeiros.

    Esta acção de fiscalização rodoviária empenha diariamente cerca de 2.200 militares, o que corresponde a cerca de 1000 patrulhas, que utilizam 850 viaturas, 800 alcoolímetros e 40 radares.

    O Ministério da Administração Interna, que tutela a GNR, a PSP e a Autoridade Nacional de Protecção Civil, decidiu este ano integrar as operações de Natal e Ano Novo numa campanha mais vasta de prevenção e combate à sinistralidade rodoviária (Operação Viagem Segura), a decorrer desde 25 de Novembro e prolongando-se até 07 de Janeiro de 2008.