negcios

A certificação das empresas faz transparecer para o mercado a imagem de uma organização que procura e se esforça para obter a máxima qualidade, e depois por mantê-la, dando garantias da sua aptidão em oferecer os melhores serviços e produtos aos potenciais clientes, transmitindo assim uma maior confiança e credibilidade junto do mercado onde actua.

A certificação tem vantagens tanto a nível interno da empresa, como a nível externo. Internamente, verifica-se uma melhoria do funcionamento da organização, a diversos níveis: a certificação actua como um factor motivador, ao exigir a participação de todos, e ao estabelecer obrigações na formação dos recursos humanos, contribuindo para a criação de uma nova cultura no sentido da melhoria contínua da qualidade da empresa; determina, ainda, a definição clara de responsabilidades; contribui para a redução de custos, devido à diminuição de desperdícios, rejeições e reclamações.

Ao nível externo, mesmo internacional, a certificação confere uma melhor imagem à empresa, contribuindo para atrair a confiança dos seus clientes, actuais e potenciais. Há sectores em que a empresa tem dificuldade em sobreviver se não implementar um sistema da qualidade. Uma empresa certificada integrará o Sistema Português da Qualidade.

Compromisso com o ambiente

Por outro lado, as empresas têm compromissos para com o ambiente que as rodeia que não se limitam ao respeito pela legislação aplicável, mas que passam, também, por responsabilidades éticas para com a minimização do impacte ambiental das suas actividades.

As exigências ambientais assumem já um papel relevante em determinados mercados têxteis, especialmente através de clientes que definem e auditam a aplicação de um conjunto de requisitos definidos por si (por exemplo, códigos de conduta), que incluem normalmente requisitos de higiene e segurança no trabalho, ou orientam à obtenção de um determinado referencial reconhecido. São exemplos desta última situação, as exigências dos rótulos Öko-Tex 100, Öko-Tex 1000 e Rótulo Ecológico Comunitário.

Fontes: www.ipamei.pt e www.citeve.pt