Depois do boicote de domingo, os murenses voltaram a mostrar o seu descontentamento e não compareceram nas secções para exercer o direito de voto. Carlos Martins, presidente da Junta, garantiu que “esta também é uma forma de protesto”.

A freguesia do Muro foi a única, das que repetiram o acto eleitoral, a não ter um único voto dentro das urnas, o que mostra o descontentamento da população em relação ao adiamento da vinda do Metro para a Trofa. Os murenses ponderam mesmo não voltar a exercer o direito de voto até que “se faça justiça”.