quant
Fique ligado

Opinião

Turismo Militar – o que ver?

Publicado

em

Celebra-se a 18 de Maio o Dia Internacional dos Museus. Nesse dia, serão gratuitas as visitas a todos os Museus, Palácios e Monumentos tutelados pela Direção Geral do Património Cultural (com observância, naturalmente, das regras de segurança, incluindo o uso de máscara e o número de visitantes em cada espaço).

Portugal, apesar de ter um território pouco extenso, possui uma riqueza patrimonial imensa. E tanto há por descobrir, nomeadamente no denominado “Turismo Militar” que pontilha de lés a lés o nosso país.

O interessado pode, através de um passeio curto ou mais prolongado, vivenciar espaços únicos, como Castelos, Palácios, Paços Ducais, Fortalezas ou mesmo Bibliotecas um tanto ou quando desconhecidas, sem esquecer locais extraordinários e únicos – como a Casa dos Gessos, que impressiona qualquer um, ou o Planetário Calouste Gulbenkian, considerado um dos melhores da Europa.

Ao visitar o site do Turismo Militar, ficamos a conhecer as Rotas e as parcerias que levam a este vasto património que perpetua a nossa memória coletiva, conta a nossa História de uma forma didática e lúdica e se esforça por cativar visitantes de todas as faixas etárias.

Veja-se o livro Roteiro dos Museus Militares, queoferece uma panóplia de opções para o visitante que não quer deixar escapar nada deste universo patrimonial que se estende de norte a sul e ilhas.

Mas, afinal, do que se fala exatamente? De Fragata D. Fernando, Aquário Vasco da Gama, Museu Almirante Ramalho Ortigão, Museu de Marinha, Museu do Combatente Lisboa e Porto, Museu do Fuzileiro de Vale do Zebro, Museu Militar de Bragança, Museu Militar do Buçaco, Museu Militar do Porto, Museu Militar de Lisboa, Museu Militar de Elvas, Museu Militar da Madeira, Núcleo Museológico Casa dos Gessos, Museus do Ar, Museu Militar dos Açores, Núcleo Museológico do Posto de Comando do MFA e Planetário Calouste Gulbenkian.

E não é somente o público adulto que se interessa por esta aventura, pois os mais pequenos não ficam esquecidos, há encenações de batalhas e demonstrações vivas, que tornam uma visita em aventura inesquecível.

Publicidade

O Ministério da Defesa é o detentor deste vasto património, material e imaterial, possui museus e coleções visitáveis repletas de curiosidades para todos os gostos.

O acervo não se esgota em espadas ou canhões. Estes espaços de interculturalidade são exemplos de vivências de grandes personagens, de combates e batalhas históricas, mas igualmente tempos de paz. Temos a cartografia, a pintura, a medalhística, os instrumentos náuticos e as cartas de marear e, claro, os símbolos que nos identificam enquanto País. Mas há também arquivos e bibliotecas, faróis e aquários, que nos relembram que somos um país de navegantes.

Surpreenda-se e vá descobrir o que não conhece, pois ficará rendido. A História de Portugal está entrelaçada com a história militar. Desde o tempo de Viriato, passando pelos Romanos, atravessando a Idade Média com a Expansão Ultramarina, a nossa vivência guerreira se fez sentir. Mas tanto há a lembrar, desde as Invasões Francesas até à atualidade, pois sempre houve uma valentia que se espelhou em memórias honradas e dignas de serem lembradas.

Por Ana de Albuquerque (editora)

Museu Militar de Elvas

Aquário Vasco da Gama ( Lisboa )

Museu Militar Castelo de Bragança

Continuar a ler...
Publicidade

Edição 765

Memórias e Histórias da Trofa: A sina trofense: a dificuldade de concretizar investimentos públicos

No Diário do Governo, era já notícia, em 1879, de que o processo de construção desta ferrovia era complexo e sofria duros revezes, sendo inaugurado apenas o primeiro troço em 1883, que ligava Trofa a Vizela.

Publicado

em

Por

exposicaoofotoscomboio

Os anos e gerações vão passando e costuma-se dizer que a identidade vai sendo construída com o passar dos anos. O referido processo de construção de identidades não é simples, nem instantâneo, mas o continuar de práticas transversais a gerações.
A região do Vale do Ave era cada vez mais industrializada, ninguém o podia negar e necessitava urgentemente de ver criada as acessibilidades para se abrir ao progresso. Numa fase em que o transporte rodoviário era uma miragem, restava obviamente apostar na rede ferroviária.
A Linha de Guimarães era um investimento prioritário, mas nem isso impediu que ficasse afastado dos tradicionais problemas de concretização que tanto nos caracteriza.
No Diário do Governo, era já notícia, em 1879, de que o processo de construção desta ferrovia era complexo e sofria duros revezes, sendo inaugurado apenas o primeiro troço em 1883, que ligava Trofa a Vizela.
Assistimos a, pelo menos, quatros anos de atrasos e constrangimentos, sendo que a construção da linha já tinha sido decretada em 1872, ou seja, 11 anos antes da inauguração do seu primeiro troço.
A empresa “Minho District Ralway Company Limitada” tinha recebido a concessão nesse ano de 1872, tendo sido previamente entregue por Simão Gattai, que tinha repassado essa concessão. A referida companhia apenas tinha construído seis quilómetros do caminho de ferro entre Bougado e Santo Tirso, pedindo ao tribunal comercial da cidade do Porto que fosse prolongado o prazo a seu pedido, até porque tinha terminado em 26 de março de 1879 a licença de construção. Na verdade, a companhia iria abrir falência e a situação tornar-se-ia ainda mais complexa, com a enorme carga burocrática a ser colocada em prática.
Seria apresentado um requerimento pelo Visconde da Ermida para que fosse constituída uma nova companhia para adquirir o caminho de ferro que tinha sido construído como aquele que faltava construir. António Ferreira da Silva tem aqui um rasgo de génio, percebendo que poderia continuar com um investimento que já tinha sido previamente construído e que era fundamental para o desenvolvimento do Vale do Ave e que teria uma grande aceitação, não só pela população, como também pelo tecido industrial.
O Vale do Ave era uma região que precisava, obviamente, destas infraestruturas, uma vez que era, cada vez mais, uma região apetecível pelos capitalistas para desenvolverem e fazerem surgir novos negócios.
Iria receber em 6 de maio de 1879 a autorização para ficar com a construção e exploração daquele caminho de ferro, que iria ligar Santo Tirso e Vizela para Guimarães.
A linha teria de ser em via larga, algo que não se iria concretizar, obrigatoriamente seria construído um telégrafo elétrico com vários correspondentes nas estações ao lado daquela linha, sendo de linha única, algo que se confirmaria no futuro. Um apontamento fundamental para a preocupação com o transporte de mercadorias, porque o concessionário deveria estabelecer para o serviço das localidades atravessadas pela linha férrea portos secos, destinados ao estacionamento de cargas e descargas das mercadorias.
Um projeto que em 1872 já tinha sido concessionado por uma pessoa a uma companhia que esteve a gerir esse mesmo processo durante sete anos e que apenas tinha construído uns míseros quilómetros a ligar a Trofa a Santo Tirso.
No ano de 1879, iria ser decretada a falência da companhia e entregue a concessão a outra figura com a expectativa de que ele continuasse a obra, sendo que o projeto acabaria por ser terminado de forma diferente do pretendido.
Assistimos a vários revezes que apenas iriam quatro anos depois, em 1883, culminar com a inauguração do caminho de ferro até Vizela, sendo que apenas iria chegar a Guimarães meses depois, já em 1884.
A construção seria concluída e respetivamente inaugurada 12 anos depois do que tinha sido projetada por lei, não deixando ser mais um exemplo da triste sina da Trofa que esperou mais de uma década pela conclusão de uma obra prioritária para o seu desenvolvimento.

foto: DR (arquivo)

Continuar a ler...

Opinião

Pilar Solar

No dia 09 de maio, segunda-feira, observou-se um pôr do Sol pouco habitual – o Sol, que se afundava no horizonte, projetava uma coluna de luz na vertical criando um cenário raro, mas de espetacular efeito.

Publicado

em

Por

No dia 09 de maio, segunda-feira, observou-se um pôr do Sol pouco habitual – o Sol, que se afundava no horizonte, projetava uma coluna de luz na vertical criando um cenário raro, mas de espetacular efeito. Tratou-se de um fenómeno ótico conhecido genericamente por Pilares de Luz, neste caso concreto por Pilar Solar, por usar o Sol como fonte de luz.

Estes fenómenos podem ser produzidos também a partir do luar ou até de fontes de iluminação pública, criando, em qualquer dos casos, um cenário surreal que alguns tendem a associar a avistamentos OVNI, outros até a causas religiosas. Os Pilares de Luz na realidade são um fenómeno ótico resultante da reflexão da luz do Sol (ou de outra fonte luminosa) na superfície de pequenos cristais de gelo, cujas dimensões, que rondam os 0,02 mm, permitem que se mantenham suspensos ou caiam de forma muito lenta através da atmosfera. Esses cristais de gelo formam-se em massas de ar muito estáveis em condições de baixa humidade, constituindo as nuvens cirrostratus, que criam assim uma aparência semelhante a um véu muito fino, de aspeto leitoso, quase transparente que se estende até às camadas de baixa altitude, o que leva este fenómeno a ser particularmente visível quando o Sol se encontra próximo ou mesmo abaixo da linha do horizonte, ou seja, ao pôr do sol.

Por todas estas razões, é um fenómeno raro que merece ser contemplado e apreciado. Não é de natureza metafísica, mas está apenas ao alcance de quem se autorizar a olhar os céus e apreciar o mundo que nos rodeia.

Álvaro Folhas

NUCLIO – Núcleo Interativo de Astronomia e Inovação em Educação

CITEUC – Centro de Investigação da Terra e do Espaço da Universidade de Coimbra

Publicidade

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também