José Rolando Araújo, ex-jogador de hóquei em patins, foi vítima de um assalto à mão armada, a 6 de maio, após levantar dinheiro para viajar para Portugal.

Mais conhecido como “Zé da Trofa”, como era conhecido enquanto atleta do Óquei Clube de Barcelos, José Rolando Araújo foi assassinado com três tiros num assalto à mão armada em Luanda, na cidade onde nasceu e onde havia regressado há cerca de três anos para trabalhar como diretor comercial, na Mundifer, empresa de máquinas industriais.

O ex-hoquista de 56 anos foi, na manhã de 6 de maio, alvejado em Viana, a 18 quilómetros da capital de Angola, à saída do banco, onde tinha levantado dinheiro e quando se preparava para passar uns dias em Portugal. Segundo Costa e Silva, um amigo próximo de José Araújo, este ainda foi transportado com vida para uma unidade de saúde em Luanda, onde esteve durante 48 horas consciente e a receber transfusões de sangue. No entanto, acabou por não resistir aos ferimentos e faleceu na madrugada de 8 de maio.

Costa e Silva, que caracteriza “Zé da Trofa” como uma pessoa “fantástica e cheia de vida”, contou que o amigo já tinha sido assaltado duas vezes em Angola, “em plena via pública e cheia de gente, com uma arma de fogo apontada”. A notícia deixou desolada a família e os amigos do atleta. Na Trofa, onde teve uma empresa, José Araújo deixou dois filhos com 16 e 21 anos, pelos quais “tinha adoração”, recordou uma antiga vizinha. O corpo de José Araújo será transladado para a Trofa, onde chegará esta sexta-feira. Às 16 horas estará em câmara ardente na capela mortuária 2 da Igreja Nova.

O funeral realiza-se sábado, às 11 horas e será sepultado no cemitério de S. Martinho de Bougado.

Bougadense e Roriz prestaram homenagem

No domingo, 10 de maio, os atletas, equipa técnica e público presente no Campo de Jogos da Ribeira, do Atlético Clube Bougadense, prestaram homenagem a José Araújo, pai de um atleta da formação, guardando um minuto de silêncio antes do início da partida.