Trofense e Sporting da Covilhã empataram hoje 1-1, somando ambos o quarto “nulo” na prova, num encontro da oitava jornada da II Liga portuguesa de futebol marcado por vários casos, na Trofa.

 Paulinho foi um dos protagonistas do jogo, ao colocar os anfitriões a vencer, aos 41 minutos, mas também esteve do lado mais ”amargo” da história, ao falhar uma grande penalidade, a dois minutos do fim. 

Com menos um jogador desde os 42 minutos, o Sporting da Covilhã conseguiu empatar e ganhar o primeiro ponto forasteiro neste campeonato, graças ao golo de Tarcísio, aos 66 minutos. 

Logo aos seis minutos, os visitantes reclamaram grande penalidade por, alegadamente, Diogo Coelho ter dado com a mão na bola na grande área, mas João Capela mandou seguir a jogada. 

A melhor oportunidade de golo da primeira parte pertenceu ao Trofense, com Paulinho a cabecear para fora, aos 18 minutos. Antes, destaque para as tentativas de Adriano e Gomis. 

Antes do intervalo, Paulinho adiantou os locais (41 minutos), com um remate forte de fora da área, com as coisas a complicarem-se ainda mais para o Sporting da Covilhã com a expulsão de Pimenta, que viu o segundo amarelo por falta dura sobre Tiago (42). 

Em desvantagem no marcador e reduzido a 10 unidades, o Sporting da Covilhã teve de aliviar as sucessivas ofensivas dos locais, mas acreditando até ao fim na possibilidade de uma reviravolta, não deixou de ameaçar a baliza de Marco. 

O golo da igualdade acabaria por surgir, aos 66 minutos, após livre de Gilberto muito bem completado, na direita, por Tarcísio. 

Com o marcador a apontar, novamente, um empate, a partida ”aqueceu” e ganhou velocidade. 

Edgar caiu na área do Trofense, após toque de Rateira, mas, apesar dos protestos de todo o banco dos forasteiros, o juiz lisboeta voltou a mandar seguir o lance (73 minutos), algo que não aconteceu aos 87 minutos, altura em que João Capela assinalou grande penalidade por braço de Dani Matos. 

Mas, Paulinho, chamado a bater a grande penalidade, desperdiçou a oportunidade, permitindo a defesa do guardião Jorge Baptista (88).

{fcomment}