Escola de futebol Trofintas promoveu o primeiro encontro internacional de escolas de futebol. Centenas de crianças viveram um fim de semana diferente e puseram em prática o que aprendem durante os treinos.

Com mais ou menos aptidão e conhecimentos para jogar futebol, mais de 450 crianças “invadiram” o Complexo Desportivo do CD Trofense, em Paradela, para um fim de semana de diversão e, muitos pontapés na bola. A escola de futebol Trofintas organizou o I Encontro Internacional de escolas de futebol, que contou com a presença de uma escola luxemburguesa de Sanem. “A maioria são emigrantes portugueses que aproveitam este período da Páscoa para visitar as suas famílias e quiseram realizar estes jogos com o Trofense, que é um clube de referência na zona. Alguns são mesmo da Trofa ou de Vila Nova de Famalicão”, explicou Ruben Carola, coordenador da escola de futebol Trofintas.

Jonny Dias é luso descendente e treinador de uma das equipas que veio jogar à Trofa. A mãe é trofense e o pai é de Famalicão, por isso Jonny Dias não escondia o contentamento por ter tido a oportunidade de trazer a escola de futebol luxemburguesa à região onde nasceram os pais: “É um bonito complexo desportivo e tem sido incrível para todos”. A comitiva luxemburguesa era composta por cerca de 60 pessoas de nacionalidades distintas, como portugueses, italianos e polacos, e muitos visitaram Portugal “pela primeira vez”. “O futebol não é só no Luxemburgo, é do mundo inteiro. Embora estejamos num nível inferior, é bom mostrarmos às crianças que há futebol em todo o mundo e proporcionarmos uma experiência diferente”, acrescentou o treinador.

Com vários jogos a decorrer em simultâneo, as bolas cruzavam-se no ar, assim como os gritos de incentivo do público. Em português, alemão ou luxemburguês, familiares e amigos gritavam e apoiavam os craques de palmo e meio, ao mesmo tempo que guardavam as melhores jogadas em fotografia ou vídeo.

Ruben Carola garantiu que o objetivo destes encontros é “sempre o mesmo”: “As crianças divertirem-se e mostrarem aquilo que trabalharam durante a semana, ao mesmo tempo que melhoram as suas capacidades de jogadores de futebol”.

Com língua, cultura, hábitos, idades e nacionalidades diferentes, as crianças mostraram-se à altura do desafio e dentro das quatro linhas todas tinham o mesmo objetivo: divertirem-se a jogar futebol.