Banco de Voluntariado funciona como uma Bolsa de emprego

“Criar uma bolsa de voluntários que possam ir junto dos idoso que estejam acamados ou mais isolados e ajudá-los” é um dos grandes objectivos do Banco Local de Voluntariado, criado pela Camara Municipal da Trofa em articulação com o conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado.

A presidente desta estrutura Elza Chambel, comparou o banco de voluntariado a uma bolsa de emprego, não remunerado, onde há um encontro entre a oferta e a procura. Destacou que ser voluntário é exercer a cidadania, mas também "é comprometer-se e isso tem regras". É, pois, necessária uma profissionalização do voluntariado "no sentido da competência, do saber fazer".

Os Bancos Locais de Voluntariado “vêm colmatar a falta de uma estrutura que, a nível local e de forma flexível e descentralizada, seja facilitadora do voluntariado, instituindo-se como um local de encontro entre pessoas que expressam a sua disponibilidade e vontade para serem voluntárias e entidades que reúnam condições para integrar voluntários e coordenar o exercício da sua actividade”, frisou a presidente do Conselho Nacional.

O banco destina-se à população em geral (incluindo jovens com mais de 15 anos e com a escolaridade obrigatória) e a entidades promotoras que reúnam condições para integrar voluntários e coordenar o exercício da sua actividade.

O banco de voluntariado “ é a tal janela que se abre para a entrada de novos voluntários para articulação de voluntariado em termos de rede social dando a Câmara todo o apoio logístico e técnico e é mais um serviço do âmbito daquilo que é a estratégia política que temos vindo a orientar desde que somos concelho”, afirmou Bernardino Vasconcelos,presidente da autarquia trofense.

Lembrando que em 2006 a Trofa foi reconhecida como “Município Pró-família” como forma de valorizar o trabalho que temos desenvolvido junto das famílias mais carenciadas, Vasconcelos falou de toda a politica social desenvolvida pelo seu executivo e deu como exemplos “ o serviço de tele-assistência diária, o nosso centro comunitário, em que idosos podem mostrar as suas competências e fazê-los viver em fraternidade “.

Para o autarca da trofa “há instituições no nosso concelho que desde sempre se dedicaram ao voluntariado como é o caso da Santa Casa da Misericórdia e a Cruz Vermelha Portuguesa, que já vem exercendo voluntariado há algum tempo”.

Mas o Banco de Voluntariado não pretende envolver sé as instituições sem fins lucrativos. Elza Chambel lançou o desafio também ao mundo empresarial para se envolver neste projecto e ajudar o Banco de Voluntariado da Trofa.

Os candidatos a voluntários podem inscrever-se no sector da Acção Social, Saúde e Habitação da Câmara da Trofa, na Rua do Conde de S. Bento, no Centro Comunitário da Trofa às quartas e sextas feiras, entre as 14 e as 17.30 horas, ou no site da autarquia .