O concelho mais novo do país está prestes a completar dez anos. O programa das comemorações conta com inúmeras actividades culturais e desportivas e ainda com a presença de personalidades ilustres do país.

 Começam este fim-de-semana as comemorações dos 10 anos do concelho da Trofa. De 8 de Novembro a 14 de Dezembro são várias as actividades que envolvem todos os trofenses.

O primeiro dia fica marcado pelo jantar de gala, e pelo meio, o mítico 19 de Novembro, feriado municipal, que contará com algumas surpresas, para além das actividades habituais, como o hastear das bandeiras e a interpretação do hino nacional pelas crianças do concelho. O último dia coincide com a publicação formal em Diário da República da criação do concelho da Trofa, em 1998, e marcará a inauguração de um painel de azulejos alusivo ao 10º aniversário do concelho.

Das comemorações fará ainda parte uma comissão de honra dos dez anos de concelho composta pelo Presidente da República, Presidente da Assembleia da República, Primeiro-ministro e Bispo do Porto.

Para Bernardino Vasconcelos, presidente da autarquia trofense as comemorações são uma boa forma de “recordar o passado, mas projectar sempre o futuro”.

Uma emissão de selos comemorativos e o lançamento de um hino, com letra de Valter Hugo Mãe e música de José da Ponte, são duas das novidades das comemorações, cuja comissão de honra é constituída pelo Presidente da República, Cavaco Silva, presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, primeiro-ministro, José Sócrates, e Bispo do Porto, D. Manuel Clemente.

O programa conta ainda com várias actividades culturais e desportivas, como a exposição “10 anos Trofa”, na Casa da Cultura, a 15 de Novembro, uma iniciativa de cicloturismo pelo concelho e uma “parade” do movimento associativo. Os Fingertips, grupo musical de renome nacional, actuam no feriado municipal, na Feira e Mercado da Trofa, em S. Martinho de Bougado, pelas 22 horas.

Fazendo uma retrospectiva do dia que marcou a elevação da Trofa a concelho, Bernardino Vasconcelos recordou “a mega manifestação de 10 mil trofenses que com um civismo extraordinário viveram com grande alegria a aprovação do projecto-lei que apenas não mereceu o voto favorável do Partido Socialista. Espero que hoje todo o desenvolvimento do concelho lhe faça pensar de maneira diferente”.