A Trofa está a ser,  pelo terceiro ano consecutivo, a Capital da Lusofonia, levando a cabo o 3º Encontro Lusófono da Literatura Infanto-Juvenil. Bernardino Vasconcelos, presidente da Câmara Municipal da trofa, responsavel pelo evento, pretende com esta iniciativa, "não só dar ênfase à literatura infanto-juvenil, como também dar a conhecer outras artes, estreitando os laços culturais entre os países que partilham a mesma língua, o português", assegurou o autarca em declarações ao NT.

No decorrer desta iniciativa, considerada precursora em Portugal, estiveram presentes na Casa da Cultura da Trofa, vários  seguidores da arte em geral, bem como a Delegada Regional da Cultura, Helena Gil, que congratulou o presidente e o vereador da Cultura , pelo "empenho em fazer da cultura um factor estratégico de desenvolvimento." Assim, a representar a música, estiveram presentes os Meninos Cantores do Município da Trofa, que ao longo da noite deliciaram os presentes com as mais variadas interpretações.

Na Literatura, para além da abertura da VII Feira do Livro, estiveram presentes os autores do livro "Pirilampo e os Deveres da Escola", que já tinha sido galardoado com o prémio do V Concurso Literário da Trofa, João Alberto Roque como escritor e Helena Zália como ilustradora, que se mostraram muito satisfeitos com as iniciativas levadas a cabo pela Câmara em prol da cultura. "É um livro de afectos, tanto entre seres humanos, como entre seres humanos e pessoas", afirmou Helena Zália, não escondendo o seu agrado por ter contribuído para a ilustração do livro, já para João Roque esta foi uma oportunidade que permitiu a realização de um sonho antigo, esperando ser este livro, o primeiro de muitos outros.

Mais tarde, foi também visitada a exposição da Guineense Manuela Jardim, que marcou presença na mostra das suas obras divulgando então, a sua inspiração nos panos dos mercados, já existentes no tempo dos descobrimentos. Teve também um especial destaque, a exposição de Graça Morais com poemas de Sophia de Mello Breyner, com desenhos em papel pautado a ilustrar os poemas da grande poetisa.

Foram ainda entregues os prémios de melhor Leitor 2006, para aqueles que nas categorias infantil, juvenil e adulto, requisitaram mais livros ao longo do ano e um prémio para o leitor 1000.

Bernardino Vasconcelos e António Pontes, ficaram bastante satisfeitos, com "o crescente sucesso desta iniciativa que a "cada ano que passa justifica a sua existência" e prometem continuar a apoiar a cultura, no âmbito de uma maior "aculturação para os nossos jovens e para as nossas gentes".