O Tribunal de Santo Tirso não homologou o Processo Especial de Revitalização (PER) do Clube Desportivo Trofense ao viabilizar a impugnação judicial apresentada pela empresa credora Eurico Ferreira SA a quem o clube deve cerca de 350 mil euros

 Apresentado em setembro de 2012, o PER visava “reestruturar” o passivo do clube, através da negociação com todos os credores que reclamassem créditos. Para o viabilizar, o clube necessitou da disponibilidade de um credor para negociar, que foi Rui Silva, a título individual e em nome da empresa Quinta dos Miguéis, que possui um crédito de cerca de 4,5 milhões de euros. Os restantes, sobretudo fornecedores, têm a haver cerca de um milhão e meio de euros. Segundo a lei que o sustenta, o PER deveria ser aprovado quando recolhesse os votos dos credores que possuíssem mais de dois terços dos créditos do clube.

No decorrer do processo, o Administrador Judicial Provisório considerou a dívida do clube à Quinta dos Miguéis (cerca de 1,3 milhões de euros) como “crédito comum”, o fazendo com que Rui Silva, a título individual e em nome desta empresa, detivesse mais de 64,99 por cento dos créditos, podendo assim controlar os destinos do PER e, eventualmente, a percentagem de perdão de dívida dos credores.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF.