quant
Fique ligado

Edição 424

Treinador do Bougadense em entrevista – “Poucos jogadores” e “estrutura do clube” dificultaram percurso do clube

Publicado

em

Treinador falou dos obstáculos da temporada, que culminou com a conquista sofrida da manutenção.

 Apesar de conseguir a manutenção da equipa sénior do Atlético Clube Bougadense na 1ª Divisão da Associação de Futebol do Porto, o treinador Pedro Pontes não faz um balanço positivo da temporada. Para o técnico, houve “obstáculos” e “contratempos” que condicionaram muito a atuação da equipa, entre os quais “poucos jogadores disponíveis” e a “estrutura do clube”, afirmou em entrevista ao NT. “Se me perguntassem se isto ia acontecer, eu achava que não. Uma marca positiva teria sido ficar a meio da tabela classificativa. Um clube como o Bougadense, com as condições que tem, não deveria estar a atravessar tantas dificuldades”, afirmou.

E se alguns jogadores, ao longo da época, se divorciaram da equipa, por outro lado, Pedro Pontes lamenta que “haja poucas pessoas disponíveis para ajudar”. “É estranho que, à volta do segundo clube mais representativo do concelho da Trofa, não haja muito apoio”, frisou, revelando que se sentiu “solitário” ao estar “treinos consecutivos sem que uma pessoa da direção aparecesse”.

O técnico considera que “o potencial” do emblema “não está a ser bem explorado” e que, com o passar dos anos, “parece estar a piorar”. “Às vezes, o problema não é só financeiro, porque se a estrutura for boa e se as pessoas trabalharem bem, acho que conseguem bons resultados. Devia haver mais pessoas em redor do clube e não só três ou quatro a geri-lo.

Por outro lado, Pedro Pontes viu “muitos jogadores desaparecerem”, ao ponto de no início da temporada ter 30 atletas disponíveis e, no fim, apenas metade. “São erros que, como treinador, cometi e que, mais tarde, não vou cometer. Dar oportunidade a muitos jovens, simultaneamente, não será tão acertado, porque tem que haver um balanço. No início, tínhamos um grupo extremamente jovem e, na reta final, com dois ou três jogadores mais experientes, conseguimos equilibrar e mantermo-nos nesta divisão”, explicou.

Um dos momentos-chave da temporada do Bougadense, pela negativa, foi a “curva descendente”, entre outubro e fevereiro, período em que Pedro Pontes “só tinha 13 ou 14 jogadores disponíveis. Tive que colocar juniores que não estavam prontos para jogar ao nível dos seniores e, se calhar, até os prejudiquei, porque pu-los numa situação difícil. Sofremos goleadas muito complicadas”, contou.

Pela positiva, as três vitórias nos últimos cinco jogos foram preponderantes para a conquista da manutenção. O treinador também quis “realçar” o trabalho e a entrega dos atletas, que “foram persistentes a acreditaram nas próprias capacidades”. “Vencemos dois jogos consecutivos, e um deles a jogar com nove, com equipas que, para mim, são das melhores equipas do campeonato”, destacou.

Publicidade

Apesar de já ter sido abordado, “informalmente”, pela direção para que continue no comando técnico do grupo, Pedro Pontes revelou ao NT que não sabe se vai continuar. “Se tivesse que decidir hoje, era muito complicado. Estuo cá há muito tempo, conheço bem as pessoas, aprendi a gostar do clube, mas nesta altura não sei. Posso até deixar de treinar por um ano, porque esta época foi muito desgastante para mim”, concluiu.

Na última ronda, o Bougadense perdeu com o Pedroso por 3-1, mas beneficiou da derrota do Leça do Balio diante do Foz (8-1), mantendo-se no 16º lugar, com 34 pontos.

Em 34 jornadas, o Bougadense conseguiu dez vitórias, cinco empates e 19 derrotas, 51 golos marcados e 77 sofridos.

Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 424

Comissão prepara festas de Nossa Senhora das Dores

Publicado

em

Por

 

Orçamento ronda os 150 mil euros

Comissão de festas em honra de Nossa Senhora das Dores, liderada por Tomé Carvalho, já está a preparar as festas religiosas. Este ano, as festividades vão decorrer junto à antiga estação da CP.

Este ano, o lugar de Mosteirô é o responsável pela organização das festas em honra de Nossa Senhora das Dores, em S. Martinho de Bougado. Com as obras de requalificação a decorrer nos parques Nossa Senhora das Dores e Doutor Lima Carneiro, a comissão de festas, liderada por Tomé Carvalho, escolheu a antiga estação da CP, para acolher grande parte das festividades.

Para o presidente da Comissão de festas, este novo local parece-lhe que “vai ser bom” e que “o povo vai gostar”. Mas, antes disso, os elementos da comissão tem um trabalho “muito grande para fazer” para que o local esteja pronto a acolher as festas. Tomé Carvalho avança que a animação está “garantida” e que o Bar da Capela, que fechou no domingo, vai ser transferido para o edifício da antiga estação.

O presidente da comissão acredita que a alteração do local das festas deste ano será positiva, esperando que corra “tudo bem” e que, no final, a comunidade diga que esta foi uma “boa ideia”.  “Eu vou acreditar que tal como aconteceu o ano passado na ExpoTrofa, onde toda a gente dizia mal e acabou por ser um êxito, também com a alteração do local das festas vai ser a mesma coisa”, denotou.

Com um orçamento a “não passar dos 150 mil euros”, o programa das festas vai manter-se nos “mesmos moldes”, pois fica “mais económico”. Este ano, a cabeça de cartaz é o Toy e a sua banda, que vai atuar pelas 22 horas do dia 16 de agosto. Entretanto no dia 13 de agosto decorre o espetáculo da Orquestra Salsa Rosa e, nos dias seguintes, atuações de bandas de música e cavaquinhos. Haverá ainda a 4ª edição do Festival da Canção, a 3ª do Concurso de Bandas de Garagem e o Festival de Fados. Uma das coisas que gostava de fazer caso “o dinheiro sobrasse” era trazer “um artista de renome” para a ExpoTrofa.

Apesar de as obras de requalificação nos parques Nossa Senhora das Dores e Doutor Lima Carneiro estarem a decorrer na altura das festas, Tomé Carvalho garante que estão reunidas as condições para a realização da procissão nos moldes tradicionais. “Foi prometido a nós (comissão de festas), ao senhor padre (Luciano Lagoa) e à senhora presidente da Câmara (Joana Lima), que estaria tudo mais ou menos pronto para passar a procissão. A população que fique descansada que ela vai fazer exatamente a mesma volta que deu no ano passado e sempre”, frisou.

Publicidade

As expectativas da comissão de festas são “grandes”, estando “esperançados que a mudança ao fim e ao cabo vai ser boa”.

Tomé Carvalho alerta ainda as coletividades e empresas que estejam interessadas em adquirir um stand na ExpoTrofa, que decorre de 6 a 14 de julho, para se inscreverem até ao final do mês de junho, através do contacto 919 101 081.

Festa do Espírito Santo superou expectativas

Um grupo de zés pereiras anunciou na manhã de sábado, pelas ruas da freguesia, as celebrações em honra do Divino Espírito Santo, que foi a primeira atividade organizada pela comissão de festas. Enquanto no sábado houve a atuação da Banda de Música da Trofa, no domingo celebrou-se uma missa solene em honra do Divino Espírito Santo.

A “grande surpresa” foi a realização da segunda edição da Festa da Cereja, que não estava previsto devido ao preço deste fruto. “Duzentos quilos” deste produto tão apetitoso foram “bem vendidos rapidamente”. Apenas não foi possível a realização do merendeiro com danças e cantares à moda antiga, protagonizada pelos ranchos do concelho, devido às condições apresentadas.

No balanço da realização desta iniciativa, Tomé Carvalho lamentou o acesso às celebrações que “não foi muito bom”, devido às “regras de segurança” das obras de requalificação dos parques. No entanto, o presidente da comissão salientou a presença “de muita gente”. “O balanço não foi tão negativo como eu pensava, para ser sincero”, concluiu.

Publicidade
Continuar a ler...

Edição 424

Condutores de palmo e meio sensibilizados para a prevenção

Publicado

em

Por

Autarquia e FAPTROFA organizaram uma iniciativa para apelar à prevenção e segurança rodoviária e prevenção da Toxicodependencia. GNR, Força Aérea, Bombeiros e associações do concelho também participaram.

 O atropelamento aconteceu durante a tarde de domingo, junto à Feira/Mercado da Trofa, quando o peão surpreendeu o condutor ao atravessar fora da passadeira. O alerta aos socorristas foi dado de imediato. Poucos segundos depois, surgiram os Bombeiros Voluntários da Trofa, que imobilizaram a vítima e a transportaram para o hospital.

Também no local, a Polícia Municipal verificou que os documentos do condutor, que tinha cerca de dez anos, estavam em situação regular.

Este momento não passou de um simulacro para mostrar aos mais pequenos os perigos da estrada e a importância de estar educado para a segurança rodoviária. Esse foi o propósito da iniciativa organizada pela Câmara Municipal, com apoio da Federação das Associações de Pais da Trofa (FAPTROFA). Segundo dados da autarquia, estiveram presentes “mais de 400 crianças” que puderam usufruir de um dia de actividades com o intuito de trabalhar as temáticas da segurança e prevenção rodoviária e da toxicodependência.

Mas antes de pegar no volante, os condutores de palmo e meio tinham várias tarefas pela frente. Uma das primeiras foi aprender a ter uma atitude preventiva, através de um vídeo da secção de operações especiais da GNR. Depois da lição assimilada, estavam em condições de receber a carta de condução, que era adquirida junto do posto da Escola de Condução Máxima. A responsável pela empresa, Clara Cardoso, reconheceu o “gosto” em “lidar com as crianças” e a “importância” de os mais pequenos “terem alguma experiência para o que é respeitar o código da estrada, nomeadamente a sinalização para os peões e como utilizar as cadeirinhas”.

“As crianças em pequenas ficam mais sensibilizadas e conseguem entender melhor o porquê, enquanto os crescidos ignoram um bocadinho, às vezes”, frisou.

Com tudo regularizado, seguiu-se a aventura pela estrada, onde os condutores tinham uma verdadeira prova de conhecimentos. Já em direção ao circuito móvel Tiago e Daniel Sá diziam que o que mais queriam experimentar era “conduzir os carrinhos”. “Vou portar-me bem”, assegurou Daniel, mostrando que tinha a lição bem estudada ao afirmar que, desta forma, quando fosse crescido, ia “saber as regras de conduzir um carro”.

Publicidade

Mas a atividade também foi feita para sensibilizar os mais velhos. Enquanto os filhos se divertiam, os pais eram alertados para a importância de ter uma condução defensiva como no Aqualearning dirigido pela Força Aérea.

Franquelim Ribeiro levou a filha à atividade, por defender que assim a criança “pode interagir e conhecer melhor como se anda na estrada”. “Sou apologista de que as crianças, conforme vão crescendo, tenham acesso a este tipo de informação”, salientou, frisando que estas iniciativas deviam acontecer “mais vezes”.

Bombeiros atuaram num simulacro

Os Bombeiros Voluntários da Trofa montaram um “quartel aberto” e protagonizaram algumas atividades de prevenção de acidentes rodoviários. “Em colaboração com a Quinta Mágica, a GNR e a Polícia Municipal, vamos fazer uma simulação de acidentes, com desencarceramento, aliando-a ao contexto de formação para estagiários. Esta é uma atividade em colaboração com a JuveBombeiro, uma estrutura que agrega bombeiros entre os 18 aos 35 anos”, explicou o bombeiro Pedro Oliveira.

Os Bombeiros estiveram no local com cinco ambulâncias, uma viatura de desencarceramento, uma viatura de pronto-socorro urbano e 20 elementos, que estavam mobilizados para “assegurar todo o tipo de ocorrências” que pudessem surgir por todo o concelho, durante o dia.

Também a GNR participou nesta atividade, pois reconhece “a importância para sensibilizar os condutores e crianças a ter um comportamento adequado na estrada”, adiantou o comandante do destacamento de Santo Tirso da GNR, capitão Flávio Sá.

A inauguração ficou marcada pelo concerto da banda de Música da GNR e durante o dia o palco teve algumas demonstrações desportivas.

Publicidade

 

Organização faz balanço positivo

Teresa Fernandes, vereadora da Educação da Câmara Municipal da Trofa, afirmou que a aposta na continuidade desta atividade justifica-se com a certeza de que “a prevenção rodoviária é de especial importância para as crianças”. “Pretendemos sensibilizar pais e filhos para os cuidados que devem ter na estrada. Os objetivos estão concretizados, porque as crianças levaram a informação e os pais, certamente, vão pensar melhor nestas questões da prevenção”, sublinhou.

Ao contrário dos anos anteriores, a iniciativa não decorreu no Parque Nossa Senhora das Dores, devido às obras de requalificação daquele espaço. Foi transferida para a zona da Feira/Mercado da Trofa, uma decisão que, segundo a autarca, foi “feliz”, pelo “dia agradável” que esteve.

Por seu lado, José Maria Oliveira, presidente da FAPTROFA, considerou que esta atividade pretende “criar hábitos e sensibilizar as crianças para os perigos que vão encontrar mais tarde, quando forem adultos”.

Esta iniciativa também contou com a participação da Trofáguas, que ministrou a palestra “CO2 não se vê, mas sente-se”, assim como com as associações ASAS, Cruz Vermelha, Santa Casa da Misericórdia, Clube Desportivo Trofense e APSI (Associação para a Promoção da Segurança Infantil).

No final, depois de passar por todos os postos de controlo, as “mais de 400 crianças” participaram num sorteio, cujo primeiro prémio era uma bicicleta.

Publicidade
Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);