A realização de uma tourada na Trofa, a 29 de julho, está a levantar um movimento contestatário.
Comissão de Festas de Nossa Senhora das Dores, parceira na realização do espetáculo, espera angariar oito mil euros para reverter para a romaria. 
A poeira levantou e promete não assentar tão cedo. Mal começaram a circular os primeiros rumores da realização de uma tourada na Trofa, um movimento de contestação surgiu, multiplicando mensagens de oposição tanto em redes sociais como nos correios eletrónicos.

A tourada está agendada para 29 de julho, frente à EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques, e é organizada pela empresa Touros é Cultura, em parceria com a Comissão de Festas em honra de Nossa Senhora das Dores. O presidente desta, José Sá, explicou que a ideia de organizar este espetáculo surgiu “naturalmente como qualquer outro evento de animação”, considerando que este será “memorável” e dará “uma oportunidade às gentes da Trofa ver ao vivo uma corrida de touros”.

A comissão de festas espera angariar cerca de “oito mil euros”, que reverterão para a realização das festas. Porém, não será a maior receita, mas sim “o sorteio de uma moto4 e a exploração do bar da capela”.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF

{fcomment}